De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN), a greve é para ser feita às folgas e feriados, assim como nos restantes dias às duas primeiras e últimas goras de cada dia, entre as 00:00 do dia 02 de dezembro e as 24:00 de 01 de janeiro de 2020.

Segundo o sindicato, no passado dia 09 de novembro decorreu mais uma reunião de negociações com a ANTROP (Associação Nacional de Transportes de Passageiros), "onde depois de se ter obtido consenso em quase todas as matérias, veio por fim a ANTROP dar o dito por não dito no que diz respeito aos retroativos a atribuir aos trabalhadores".

Inicialmente a ANTROP, refere o STRUN, afirmou, que caso chegassem a acordo, "aplicaria os retroativos a todos os associados desde fevereiro", contudo, mais tarde "veio dizer que apenas paga a partir da assinatura do acordo".

Na referida reunião, acrescenta o sindicato, foi possível chegar a acordo em matérias como o "agente único", as diuturnidades ou as horas noturnas. Contudo, no que respeita à subida da disponibilidade para 04:00 e à não acumulação do subsídio de alimentação com a refeição em deslocado, foi possível chegar a um entendimento.

"Como podem verificar, o acordo estava praticamente feito. A ANTROP, no final, é que roeu a corda no que diz respeito ao pagamento dos retroativos como estava acordado", refere o STRUN em comunicado.

Em declarações à Lusa, o coordenador do STRUN, José Manuel Silva, salientou, contudo, que ainda é possível chegar a um acordo, caso a ANTROP esteja na disponibilidade de pagar os 30 euros por mês de retroativos, tal como havia sido acordado.

"São 30 euros por mês desde fevereiro, mais o subsídio de férias, o que totaliza 10 meses até outubro", afirmou.

O sindicato, que se vai reunir na quarta-feira por causa dos serviços mínimos, reclama o pagamento de 300 euros, um montante muito superior aos 60 euros que o STRUN diz terem sido proposto pela antrop na segunda-feira.

À Lusa, o presidente da ANTROP, Luís Cabaço Martins, salientou que este sindicato está isolado dos restantes que já assinaram o acordo, e que, apesar disso, a ANTROP sempre esteve disponível para negociar, oferecendo as mesmas condições.

"Não fazia sentido agora pagar os retroativos desde fevereiro, quando tiveram a oportunidade de assinar o acordo e não o fizeram", afirmou.

Luís Cabaço Martins considera que aceitar este pagamento seria desrespeitar os outros sindicatos, mas admite, no entanto, "no limite" uma solução de compromisso, como por exemplo, o pagamento de um mês de retroativos.

"Esta greve é absurda. É um sindicato que rejeita aumentos salariais. É ridículo", concluiu, afirmando que não é verdade que a ANTROP faltou ao acordado.

Artigo corrigido às 18:00 — retifica a imagem para esclarecer que a greve é dos motoristas do setor privado, pelo que não deverá abranger a STCP (operador público).

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.