Afetado pela diminuição de turistas na capital francesa, na sequencia dos atentados de 2015, em 2016 o Museu do Louvre foi visitado por 7,4 milhões de pessoas, o que representou uma diminuição de 13% em relação ao ano anterior.

Ainda em 2016, o primeiro museu do mundo em número de visitantes foi forçado a encerrar quatro dias no início de junho, devido ao risco de inundações.

O ano passado ficou marcado por um regresso de turistas estrangeiros, que representam 70% do número de visitantes (5,6 milhões de pessoas), provenientes maioritariamente dos Estados Unidos (15%), da China (9%), do Reino Unido (4%) e da Alamanha (3,5%).

O aumento do número de visitantes no ano passado deve-se também ao sucesso da exposição “Vermeer e os mestres da pintura de género”, que esteve patente entre 22 de fevereiro e 22 de maio, e foi visitada por cerca de 325 mil pessoas.

A exposição “Ventin de Boulogne”, cujos bilhetes estavam acoplados aos de “Veermer e os mestres da pintura de género”, foi visitada por cerca de 205 mil pessoas.

A pintura portuguesa está representada no Museu do Louvre com três obras: “Alegoria da fundação da Casa Pia”, de Domingos Sequeira, “Maria Madalena confortada pelos anjos”, de Josefa d’Óbidos, e “Natureza morta com peixe”, de Baltazar Gomes Figueira.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.