“Hoje, peço ao exército birmanês que pare imediatamente com a repressão. Libertem os presos. Acabem com a violência. Respeitem os direitos humanos e a vontade do povo expressa nas últimas eleições”, pediu António Guterres, em um vídeo pré-gravado e transmitido na abertura da 46.ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

No fim de semana, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, condenou a violência levada a cabo pelas forças de segurança no Myanmar e afirmou que a União Europeia (UE) irá “tomar as decisões adequadas”.

A declaração surgiu depois de as forças de segurança birmanesas terem disparado munições reais contra manifestantes que protestavam contra a tomada do poder pela junta na segunda maior cidade do país, Mandalay.

Duas pessoas foram mortas, incluindo um jovem rapaz que foi baleado na cabeça, segundo socorristas.

O golpe militar, no dia 01 de fevereiro, atingiu a frágil democracia do Myanmar, depois da vitória do partido de Aung Sang Suu Kyi nas eleições de novembro de 2020.

Os militares tomaram o poder alegando irregularidades durante o processo eleitoral do ano passado, apesar de as autoridades eleitorais terem negado a existência de fraudes.

Desde então, milhares de pessoas têm-se manifestado contra o golpe militar, sobretudo na capital económica, Rangum, e em Mandalay.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.