Quando a última loja da McDonalds encerrou na Islândia, a 31 de outubro de 2009, Hjörtur Smárason decidiu comprar um hambúrguer — um 'cheeseburger', sejamos mais precisos, e o respetivo pacote de batatas. Mas não o fez para o comer, mas sim com outras finalidades; o islandês queria provar que o menu não apodrecia.

"Ouvi algo sobre [os produtos] da McDonald's nunca entrarem em decomposição, então queria descobrir se isso era verdade ou não", disse Smárason à AFP, que depois de ter guardado o hambúrguer na garagem durante três anos, decidiu doá-lo ao Museu Nacional da Islândia.

No entanto, um especialista dinamarquês terá dito à equipa do museu que não era possível preservar algo do género. Smárason manteve a sua missão e levou-o para um hostel de amigos, onde se encontra-se exposto e tem até direito a transmissão em direto — onde está a vista de todos a sua (não) deterioração.

Smárason não é o primeiro a fazer o teste; em 201o Sally Davies, a fotografa canadiana a viver em Nova Iorque, iniciou o projeto "Happy Meal Project".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.