"A lei marcial será introduzida a partir da meia-noite, bem como o recolher obrigatório das 21:00 as 18:00 do dia seguinte”, em Baku e noutras cidades importantes do pais, bem como em áreas próximas da linha de frente de Karabakh, afirmou o porta-voz da presidência do Azerbaijão, Hikmet Hajiyev.

Nagorny-Karabakh é uma região separatista do Azerbaijão, povoada principalmente por arménios e apoiada pela Arménia.

Os combates ocorrem regularmente entre separatistas e azeris, numa tensão permanente entre os executivos da capital da arménia, Erevan, e do Azerbaijão, Baku.

Entretanto, o Presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, afirmou hoje, após a escalada das tensões no enclave separatista arménio de Nagorno-Karabakh, que Baku “não vai entregar as suas terras a ninguém” e garantiu que irá “restaurar a justiça histórica”.

Segundo Aliev, os disparos a partir de Nagorno-Karabakh provocaram a morte de “vários” cidadãos azeris, cujo número, porém, não avançou.

Por seu lado, as autoridades arménias adiantaram que pelo menos 10 militares de Nagorno-Karabakh morreram na sequência dos ataques das tropas azeris e que pelo menos dois dos mortos – uma mulher e uma criança – são civis.

Território do Império Russo disputado pela Arménia e Azerbaijão durante a guerra civil após a revolução bolchevique de 1917, Nagorno-Karabakh, habitado maioritariamente por arménios, foi anexada em 1921 por Josef Estaline à República Socialista Soviética do Azerbaijão, tendo obtido, a partir de 1923, um estatuto autónomo.

A União Europeia, o Conselho Europeu, a Rússia, a França e a Alemanha já lamentaram os confrontos e pediram a cessação imediata das hostilidades, bem como o regresso à mesa de negociações.

A Turquia já manifestou “apoio total” ao Azerbaijão na disputa contra a Arménia, disponibilizando quaisquer equipamentos militares que Baku venha a solicitar.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.