Sob um sol abrasador e após um minuto em silêncio absoluto, apenas interrompido pelo som das asas dos pombos que sobrevoavam a zona, milhares de pessoas manifestaram assim a sua solidariedade e a sua determinação em não deixar que o atentado mude a sua forma de viver.

"Não teremos medo, façam o que fizerem. Assim se mostra que não poderão connosco. Eles são poucos comparados connosco", disse à Lusa António Gomez, um catalão de 51 anos que empunhava um cartaz a garantir que o medo não vencerá.

Para o ativista, que diz lutar contra as injustiças como ‘hobbie’, Barcelona não se deixará abater pelo medo.

AFP PHOTO / LLUIS GENE

"Barcelona é forte. Hoje está triste, mas amanhã estará alegre".

Durante os minutos em que durou a homenagem de hoje na Praça da Catalunha, que começou às 12:00 locais com um minuto de silêncio presidido pelo rei e pelo presidente do Governo espanhol, os milhares de pessoas que enchiam aquela monumental praça iam alternando entre silêncio total, aplausos, palmas ritmadas e gritos de ‘No tinc por!’" (Não tenho medo! em catalão).

A harmonia foi apenas interrompida momentaneamente quando uma mulher agitou uma bandeira de Espanha, motivando assobios numa altura em que a Catalunha discute a realização de mais um referendo pela independência.

"Não é momento para isto. Tão tonta é ela como os que a assobiaram. Hoje é dia de homenagear as vítimas", disse António Gomez.

Quando a multidão começou a desmobilizar, um grupo de seis homens permaneceu firme no meio da praça, a empunhar folhas A4 com as mensagens "Amor para todos, ódio para ninguém" e "Unidos contra o terrorismo".

À Lusa, um deles, Tarik Ata, explicou tratar-se de uma iniciativa da Comunidade Muçulmana Ahmadia, que está em todo o mundo, e desde 1946 em Espanha e que trabalha para dar a conhecer os ensinamentos do islão.

AFP PHOTO / JAVIER SORIANO

"Condenamos todo o tipo de terrorismo, especialmente se cometido em nome do Islão", disse o representante, recordando que a sua religião é pacífica e que "o conceito de guerra santa nem sequer existe no islão".

"Somos todos humanos, somos todos iguais", afirmou.

Catorze pessoas morreram e cerca de uma centena ficou ferida num atentado terrorista em Barcelona, na tarde de quinta-feira, quando uma furgoneta galgou um passeio e atropelou dezenas de pessoas, nas Ramblas, no centro da cidade. Entre as vítimas mortais está uma portuguesa, disse fonte do Governo português. Existe ainda uma outra portuguesa desaparecida.

Leia aqui tudo o que se sabe até ao momento sobre este atentado.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.