Dando uma primeira leitura no relatório, estes números não são fáceis de encontrar. É necessário entrar no Anexo 5 da secção "PT 5 – Análise Económico-Financeira e Análise Custo-Benefício" para ter acesso a estes valores.

Aí descobre-se uma tabela onde são detalhados os diferentes valores em todas as opções consideradas.

VAL das opções estratégicas
VAL das opções estratégicas créditos: DR

Ao observar a tabela, é fácil concluir que a opção que ficaria mais barata é Humberto Delgado + Montijo, num valor de 3,8 mil milhões de euros.

Como opções mais caras, destacam-se as localizações Campo de Tiro de Alcochete e Vendas Novas, com cada uma a custar mais de 9 mil milhões de euros: Alcochete (9,9 mil milhões de euros) e Vendas Novas (9,7 mil milhões). Mesmo sendo as mais caras, estes locais são também os escolhidos pela CTI como os dois melhores, sendo o Campo de Tiro de Alcochete o mais atrativo.

De seguida, surge a opção Santarém, que também tem um custo estimado acima de 9 mil milhões de euros (9,55 mil milhões), sendo a seguinte estabelecer um hub único no Montijo, que teria o custo de 8 mil milhões de euros.

No caso de uma opção dual, a mais cara seria Humberto Delgado + Alcochete, por 8,2 mil milhões de euros, seguida de Humberto Delgado + Vendas Novas, por 8,1 mil milhões, e Humberto Delgado + Santarém, por um valor semelhante.

A CTI destaca também quantos anos cada opção demoraria a ser construída, desta vez no anexo 6 da secção "PT 2 – Planeamento e Desenvolvimento Aeroportuário".

Aqui, a comissão conclui que a opção Humberto Delgado + Montijo seria a mais rápida, necessitando de seis anos (2029) para a primeira pista estar disponível.

Segue-se a opção Humberto Delgado + Alcochete, em sete anos (2030), e a opção Alcochete sozinha, que demora o mesmo número de anos.

A opção Santarém poderia demorar oito anos (2031).

Assim, analisando os cinco fatores críticos de decisão, Alcochete lidera em vários, nomeadamente segurança aeronáutica, acessibilidade e território, saúde humana e viabilidade ambiental, conectividade e desenvolvimento económico, investimento público e modelo de financiamento.

Já as opções Humberto Delgado + Montijo e apenas Montijo foram classificadas como "inviáveis para um 'hub' intercontinental" por razões aeronáuticas, ambientais e económico-financeiras, "devido à sua capacidade limitada para expandir a conectividade aérea".

Humberto Delgado + Santarém e Santarém como aeroporto único "não são opção por razões aeronáuticas (de navegação aérea)", apontou a CTI.

Sublinha-se que, ao anunciar os resultados da Comissão Técnica Independente, a presidente Maria do Rosário Partidário deixou uma certeza: "Todas a opções são financeiramente viáveis, não sendo necessário financiamento público para a construção do novo aeroporto”, sendo que a construção da infraestrutura poderá ser financiada com as receitas obtidas com as taxas aeroportuárias ou outras receitas operacionais. Assim, em todos os casos, prevê-se um retorno económico e financeiro positivo para Portugal, de acordo com o relatório.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.