O antigo presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que a polícia federal (FBI, na sigla em Inglês) esteva na segunda-feira a fazer buscas na sua propriedade em Mar-a-Lago.

“Depois de trabalhar e cooperar com as agências governamentais relevantes, estas buscas não anunciadas na minha casa não são necessárias nem apropriadas”, disse Trump, numa longa declaração.

Já no dia de hoje, Trump sugeriu que o FBI possa ter 'plantado' provas falsas durante as buscas à sua mansão na Florida, para tentar incriminá-lo, embora sem apresentar qualquer prova.

Numa mensagem na plataforma Truth Social, Trump reclamou que os agentes não permitiram que ninguém, nem mesmo os seus advogados, se aproximassem dos quartos em que entraram durante a operação em Mar-a-Lago.

“Todos foram convidados a sair do local, eles queriam ficar sozinhos, sem testemunhas que vissem o que estavam a fazer, a levar ou, espero que não, ‘a plantar’. Porque é que eles insistiram tanto em não terem ninguém a observá-los?”, questionou.

Trump levantou assim dúvidas sobre as ações do FBI e as possíveis provas recolhidas, insistindo no seu argumento de que toda esta ação foi orquestrada pelo Governo de Joe Biden e tem fins políticos.

Afinal, o que levou a esta operação? 

Nem o FBI nem o Departamento de Justiça divulgaram declarações explicando o motivo da operação. Enquanto aguardam algum detalhe ou explicação oficial, vários líderes republicanos, incluindo a liderança do partido, atacaram o “abuso de poder” dos democratas.

O próprio Trump, no entanto, não tornou público ou divulgou detalhes sobre o mandado de busca que os agentes apresentaram para ter acesso à sua casa e que poderia lançar luz sobre essas investigações, focadas ‘a priori’ em documentos com informações confidenciais que não deveriam ter sido retirados da Casa Branca.

Enquanto isso, o Governo Biden garantiu que o atual chefe de Estado não foi informado da busca e soube da mesma através da imprensa, uma vez que se trata de uma investigação “independente”.

Christina Bobb, uma das advogadas de Trump, disse em várias entrevistas que estava em Mar-a-Lago quando a busca teve lugar e que o FBI levou da residência aproximadamente 12 caixas.

O ex-presidente tem várias frentes jurídicas abertas, incluindo um processo cível sobre as práticas comerciais da sua empresa para o qual compareceu hoje em Nova Iorque, optando por ficar em silêncio e não responder a perguntas da Procuradoria-Geral.

No fim de contas, as buscas à mansão dividiram opiniões: para uns, foi o primeiro passo para um julgamento; para outros, uma "perseguição política". Isto num país cada vez mais polarizado e numa altura em que o ex-presidente considera candidatar-se de novo à Casa Branca.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.