“A máscara origina ruído comunicacional emocional, porém funciona como motivo para que o cérebro fique mais em alerta na procura dos padrões faciais”, refere o estudo científico “A Face das Emoções na Pandemia”, desenvolvido pelo investigador João Alves, sob a orientação do professor doutor Freitas-Magalhães e diretor do Laboratório de Expressão Facial da Emoção (FEELab), da Universidade Fernando Pessoa (UFP).

Segundo o estudo, cujas principais conclusões foram divulgadas em comunicado pelo FEELab, o cérebro fica mais instintivo na identificação da dor e da raiva.

“O cérebro facial procura mapear todos os vestígios que permitam identificar com rigor as emoções associadas. Como a máscara é um obstáculo, na parte inferior da face, o cérebro procura e intensifica os marcadores da face superior”, afirma o diretor do FEELab, citado no comunicado.

Freitas-Magalhães explica que tal comportamento “é ancestral e evolutivo, particularmente ao reforço instintivo de mapeamento da dor e da raiva no processo seletivo de sobrevivência”.

“Estes resultados confirmam o primado da conduta instintiva do cérebro quando em jogo está a sobrevivência humana”, conclui o diretor do Laboratório de Expressão Facial da Emoção.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.