O novo projeto de gestão dos teatros da Câmara de Lisboa tem por objetivo resgatar lugares associados à cultura, como o Teatro do Bairro Alto, e diversificar a oferta cultural da cidade, segundo a vereadora da Cultura.

O novo plano municipal abrange onze teatros, dois dos quais - São Luiz e Maria Matos - estão sob gestão da Empresa Municipal de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), sendo os restantes o Teatro Aberto, o Cinearte, o espaço do Teatro Meridional, o Teatro Taborda, A Comuna, o Capitólio, o Teatro Luís de Camões, o Teatro Variedades e o Teatro do Bairro Alto.

Em declarações à agência Lusa, Catarina Vaz Pinto explicou que o novo plano contempla que apenas o Teatro Maria Matos será gerido por uma entidade externa.

Segundo a autarca, os trabalhadores do teatro já foram informados da situação e não vão perder os postos de trabalho, já que continuam a ser funcionários da CML.

O que vai acontecer no Maria Matos "é semelhante ao que acontece atualmente com o Teatro Aberto, A Comuna, o Cinearte e o Teatro Taborda que, sendo teatros municipais, não são geridos pela autarquia", concluiu.

Contactado pela agência Lusa, o vereador comunista Carlos Moura elencou que "o caminho para os teatros é a gestão municipal", pelo que o PCP "não pode estar de acordo" com este plano.

"O que assistimos preocupa-nos e abre caminho à privatização de outros teatros, o que não é benéfico para Lisboa", vincou o eleito, acrescentando que "não é esta a orientação que foi prometida pela maioria PS para a cidade".

O PSD "gostava de ter tido conhecimento" através da CML, e não da comunicação social, como aconteceu.

"Gostava de ter mais conhecimento com detalhe, por isso vamos pedir informações sobre isso, para sabermos exatamente o que é, em que termos, quais os objetivos, e ouvir também os trabalhadores", afirmou o eleito João Pedro Costa.

Também o CDS-PP quer "esperar pela proposta para ver com mais detalhe qual a intenção da Câmara" com este plano.

"Esperamos que o exemplo do Capitólio não se volte a repetir", salientou João Gonçalves Pereira.

Também o vereador Ricardo Robles, do BE, remeteu comentários a este plano para quando obtiver mais informações.

A vereadora disse ainda que o Teatro do Bairro Alto vai ser cedido por arrendamento a uma entidade que apresente um projeto, a ser selecionado através de concurso, e ficará direcionado para as artes performativas mais experimentais e de caráter emergente.

Já o Teatro Luís de Camões, em Belém, "ficará vocacionado para a programação infanto-juvenil", e o seu modelo de gestão será semelhante ao do Bairro Alto, adiantou Catarina Vaz Pinto.

A autarca calcula que o novo modelo para estes teatros possa ser posto em prática a partir de setembro ou outubro do próximo ano e concretizar-se até ao início de 2019, alegando que há todo um trabalho de programação que não se faz de um dia para o outro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.