"Vou contar-vos como está a minha recuperação. Não há mais obstáculos no meu caminho, mas ainda será longo", escreveu Navalny numa mensagem no Instagram, acompanhada de uma foto que o mostra a descer uma escada.

"Os meus problemas atuais - como o facto de que um telefone é tão inútil quanto uma pedra nas minhas mãos - são apenas parvoíces", escreveu.

Navalny, de 44 anos, diz que, até "recentemente", não reconhecia ninguém e não conseguia responder ao médico que vinha ajudá-lo a reaprender a se expressar todas as manhãs.

"Ficava desesperado, porque entendia o que o médico queria, mas não sabia onde encontrar as palavras", descreve Navalny.

"Agora sou uma pessoa que tem as pernas a tremer quando sobe as escadas", mas que diz para si mesmo "aqui é uma escada. Usamos para subir, mas é melhor você encontrar um elevador", brincou. "Antes eu teria parado e olhando com cara de parvo" para a escada, acrescentou o adversário do presidente Vladimir Putin.

Na mesma mensagem, Navalny agradeceu aos médicos por o terem transformado de um "homem tecnicamente vivo" para uma pessoa que tem "todas as possibilidades" de voltar a usar adequadamente o Instagram.

Sem investigação na Rússia

Opositor número um do Kremlin, vítima de uma tentativa de envenenamento em 20 de agosto na Sibéria - segundo os seus associados -, Navalny publicou uma primeira mensagem na última terça-feira, em que dizia que conseguia respirar sem a ajuda de aparelhos.

Respirar "me encantou, é um procedimento surpreendente e subestimado por muitos. Recomendo", afirmou, com bom humor, publicando uma foto na cama do hospital, com a mulher e os filhos.

A 3 de setembro, um laboratório militar alemão concluiu que Navalny foi envenenado por uma substância do tipo Novitchok, concebida para fins militares na época soviética. Laboratórios franceses e suecos confirmaram as conclusões alemãs. Moscovo nega qualquer envolvimento no caso.

Até ao momento, as autoridades russas não abriram uma investigação sobre o caso, apesar dos apelos e das ameaças de sanções europeias.

"Infelizmente estamos limitados na nossa capacidade de realizar qualquer tipo de investigação. Parece que os objetos foram retirados da Rússia, e não podemos ter acesso às análises feitas na Alemanha", disse o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, referindo-se a objetos retirados do local do suposto envenenamento por parte da equipa do próprio Navalny.

Os apoiantes de Navalny publicaram um vídeo, explicando que o agente nervoso do tipo Novichok, identificado na Alemanha como o veneno utilizado contra o rival de Putin, foi detectado numa garrafa encontrada no seu quarto de hotel em Tomsk (Sibéria), no dia do evento em que foi envenenado.

Segundo as mesmas fontes, a garrafa e outras provas foram levadas para a Alemanha, por estarem convencidos de que as autoridades russas não iriam investigar o caso.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.