De acordo com o comunicado de imprensa enviado à agência Lusa, o concerto que se irá realizar no âmbito do 25.º aniversário da associação de jovens lusodescendentes Cap Magellan vai contar com uma homenagem às vítimas dos atentados de 13 de novembro de 2015, nomeadamente aos portugueses Precilia Correia, que morreu no ataque ao Bataclan, e a Manuel Dias, que morreu no ataque ao Stade de France.

São esperadas 1700 pessoas para assistir ao espetáculo, segundo o comunicado, sendo a primeira parte assegurada pela cantora franco-angolana Lúcia de Carvalho e pelo lusodescendente Dani Selva, dois vencedores do Prémio Cap Magellan de melhor revelação artística 2016.

"Para encerrar um fim de semana que vai festejar a lusofonia e os 25 anos da associação, a Cap Magellan retoma os seus concertos históricos nas salas parisienses e escolheu, desta vez, o Bataclan, símbolo de resistência e de liberdade, para apresentar um dos maiores grupos da cena pop portuguesa: Resistência", indica o documento.

Para assinalar os 25 anos de existência, além do concerto no Bataclan, a Cap Magellan vai organizar ateliês, a 28 e 29 de janeiro, em torno do conceito de lusodescendência, na Maison du Portugal - André de Gouveia, sob o título "Primeiros Estados Gerais da Lusodescendência".

Em debate vão estar os temas da "promoção da língua portuguesa", "participação cidadã dos lusodescendentes" e "promoção da cultura: exemplo do turismo e da memória", com o intuito de "criar uma rede nacional de pessoas ativas capazes de promover campanhas e organizar ações nacionais", para "tornar mais visível esta presença lusófona" em França.

O comunicado explica, ainda, que a partir desta iniciativa, "o objetivo é propor uma estratégia de promoção da dupla cultura [francesa e portuguesa] a médio e a longo prazo" em França, baseando-se num estudo sobre a lusodescendência na Europa que está a ser feito em parceria com a Fundação Calouste Gulbenkian de Lisboa.

Os "Primeiros Estados Gerais da Lusodescendência" devem culminar, também, com "a redação de um questionário para os candidatos às eleições presidenciais e legislativas francesas sobre o apoio à lusofonia em França" e "a redação de um questionário para os deputados portugueses sobre o seu apoio à lusofonia em França", o lançamento de um encontro nacional sobre emigração e a assinatura de um acordo para que associações locais acolham campanhas de promoção da língua portuguesa.

De acordo com a Cap Magellan, "há mais de 1,5 milhões de pessoas" com raízes portuguesas, em França, "entre cidadãos portugueses mononacionais (que representam 599 333 indivíduos, incluindo 240 092 na Île de France), cidadãos naturalizados franceses e lusodescendentes".

A associação estima que haja "perto de mil associações franco-portuguesas, mais de 45 mil Pequenas e Médias Empresas dirigidas por lusodescendentes" e "mais de 4.000 eleitos portugueses ou franceses de origem portuguesa".

A Cap Magellan foi fundada a 24 de novembro de 1991, em Paris, tendo sido "a primeira associação de jovens lusófonos e lusófilos" a trabalhar na promoção da língua portuguesa e da cultura lusófona.

A associação coorganiza, anualmente, a gala de aniversário da implantação da República em Portugal, na Câmara Municipal de Paris, organiza fóruns de emprego, concertos, campanhas de segurança rodoviárias para os emigrantes, campanhas de sensibilização para o voto, publicando, ainda, uma revista cultural "CAPMag" e atribuindo bolsas de estudo, entre outras atividades.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.