Num relatório divulgado na sexta-feira, especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU) concluíram que o exército sírio utilizou armas químicas num ataque contra a localidade de Qmenas, na província de Idleb, no noroeste do país, a 16 de março de 2015.

Segundo esta comissão de inquérito, este ataque químico dos militares sírios foi o terceiro desde 2014.

A comissão de inquérito tinha antes acusado o grupo extremista Estado Islâmico de ter utilizado gás mostarda no norte da Síria, em agosto de 2015.

“O exército sírio e o Daesh [acrónimo árabe para Estado Islâmico] utilizaram armas químicas contra civis em pelo menos três ocasiões. Estes atos são desumanos e inaceitáveis”, reagiu o ministro dos Negócios Estrangeiros francês num comunicado.

Ayrault pediu “uma condenação clara desses crimes através de uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas […] com sanções para os seus autores”.

Os Estados Unidos, o Reino Unido e a França já pediram sanções contra os autores de ataques com armas químicas na Síria, nomeadamente contra o regime do Presidente, Bashar al-Assad.

Mas o Governo sírio é protegido pelo seu aliado russo (como aqueles três países membros permanentes e com direito de veto do Conselho de Segurança), que tem considerado que a comissão de inquérito não fornece provas suficientemente conclusivas para desencadear a aplicação de sanções.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.