No Bangladesh, pelo menos oito pessoas morreram e na Índia o número de óbitos cresceu para uma dúzia, segundo um novo balanço das autoridades indianas.

A chegada do ciclone Amphan coincidiu com o combate à pandemia de covid-19, que ambos os países têm enfrentado com regras de confinamento que permanecem em vigor.

O comandante-adjunto da Força Nacional de Resposta a Desastres em Bengala, Kumar Ravi, garantiu que as suas equipas de resgate estão a procurar minimizar o impacto da pandemia com distribuição maciça de máscaras e desinfetantes para mãos.

O ciclone Amphan, o mais poderoso desde o início do século na baía de Bengala, chegou ao leste da Índia com ventos até 190 quilómetros por hora, anunciaram os serviços meteorológicos indianos.

“O ciclone atingiu terra firme. O ‘olho’ está sobre a ilha de Sagar”, localizada no estuário do rio Hoogly, a cerca de 100 quilómetros a sul de Calcutá, disse o diretor do centro meteorológico regional, Sanjib Banerjee.

Chuvas torrenciais e ventos fortes estão a devastar Calcutá, arrancando árvores, causando inundações e cortando as telecomunicações.

Grande parte da capital do estado indiano de Bengala Ocidental está mergulhada na escuridão, tendo a eletricidade sido cortada preventivamente pelos fornecedores para evitar acidentes.

O Amphan foi classificado na segunda-feira como de categoria 4 (em 5) na escala Saffir-Simpson, com ventos entre 200 e 240 quilómetros por hora, e é o ciclone mais poderoso a formar-se no golfo de Bengala desde 1999. Naquele ano, um ciclone matou dez mil pessoas em Odisha.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.