“A Petróleo Brasileiro SA — Petrobras, em relação às notícias veiculadas na ‘media’ a respeito de expectativa de novos reajustes nos preços de combustíveis, esclarece que ajustes de preços de produtos são realizados no curso normal de seus negócios e seguem as suas políticas comerciais vigentes”, destacou a petrolífera.

A empresa também reiterou que adota uma política de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado internacional, frisando que trabalha para evitar a transferência imediata das volatilidades externas e da taxa de câmbio causadas por eventos conjunturais no preço dos combustíveis.

“A Petrobras não antecipa decisões de reajuste e reforça que não há nenhuma decisão tomada por seu Grupo Executivo de Mercado e Preços que ainda não tenha sido anunciada ao mercado”, concluiu o comunicado.

No domingo, Jair Bolsonaro antecipou que a Petrobras começaria a reduzir, a partir desta semana, o preço dos combustíveis, que este ano dispararam entre 65% e 73% no país sul-americano.

“A Petrobras começa esta semana a anunciar uma redução no preço do combustível”, disse o Presidente brasileiro ao portal de notícias Poder360.

Bolsonaro acrescentou, sem especificar percentagens ou prazos, que serão “pequenas reduções”, “em princípio todas as semanas”.

O preço dos combustíveis cresceu de forma constante ao longo de 2021 no Brasil, impulsionado pela valorização do barril de petróleo no mercado internacional e da desvalorização da moeda brasileira, o real, face ao dólar.

A subida dos combustíveis também tem sido um dos fatores determinantes que empurram a inflação no país acima de dois dígitos (10,7%).

Em razão disto, Bolsonaro tem reclamado reiteradamente do aumento dos preços dos combustíveis, embora afirme que não tem poder de interferir na Petrobras.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.