Entre os detidos está Dechathorn Bamrungmuang, um membro importante do “Rap Contra a Ditadura”.

Os ativistas, que enfrentam acusações de sedição, pediram a renúncia do primeiro-ministro, o general Prayuth Chan-ocha.

Os protestos, alimentados por milhares de estudantes, são a ameaça mais séria para o general, que chegou ao poder através de um golpe militar em 2014 e que se manteve no cargo após uma polémica eleição em 2019, marcada por acusações de fraude.

Os manifestantes têm tornado públicas três exigências básicas: realização de novas eleições, emendas à constituição imposta pelos militares e fim da intimidação dos críticos do Governo.

Os líderes dos protestos geraram polémica no início do mês, quando expandiram as suas reivindicações originais, criticando publicamente a monarquia constitucional da Tailândia e divulgando um manifesto de dez pontos no qual pediram reformas.

Uma ação sem precedentes, já que a monarquia é considerada sacrossanta, com a legislação a prever penas de prisão até 15 anos para qualquer pessoa considerada culpada de difamar o rei.

A organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) já veio exigir que as autoridades tailandesas retirem todas as acusações e libertem os ativistas pró-democracia.

“As repetidas promessas do Governo tailandês de ouvir vozes dissidentes provaram ser desprovidas de sentido, à medida que a repressão aos ativistas pró-democracia continua inabalável”, criticou o diretor da Human Rights Watch para a Ásia, Brad Adams.

Também na quarta-feira, cerca de 400 alunos, de uniforme escolar e fitas brancas, um símbolo do protesto, juntaram as suas vozes ao movimento antigovernamental e fizeram saudações com três dedos, um sinal de resistência ‘importado’ do filme “Jogos da Fome”.

A imagem do governo foi manchada por escândalos de corrupção pelos quais ninguém foi responsabilizado e a economia está em crise, algo que já era visível antes das medidas tomadas para enfrentar a pandemia e que devastaram a indústria do turismo, a principal fonte de receitas nacional.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.