"Eu tinha intenção de visitar a Venezuela, mas naturalmente quando as condições de vida social, económica e também política se deterioraram, a urgência desse encontro, dessa presença, ganhou outro destaque, porque a presença do Governo é sempre uma demonstração de que os portugueses da Venezuela não estão esquecidos, estão no centro das nossas preocupações e de todas as estruturas do Estado português", disse.

José Luís Carneiro falava à Agência Lusa e à Antena 1 no âmbito de uma visita de quatro dias à Venezuela, que iniciou na terça-feira, conjuntamente com o secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus da Madeira, Sérgio Marques.

A visita, disse, tem como objetivo "manter os canais de comunicação em bom funcionamento, no que diz respeito nomeadamente à relação com as autoridades venezuelanas, que são absolutamente indispensáveis para garantir e promover as condições de segurança e de bem estar dos portugueses".

Carneiro salientou também "a relação de boa cooperação" com dezenas de associações luso-venezuelanas que estão muito ativas na vida coletiva da comunidade, nomeadamente de caráter social e que desenvolvem um trabalho muito importante de identificação de casos de necessidade mas também de mobilização de recursos para apoiar essas famílias”.

O Governo quer ainda "verificar o modo como os serviços consulares estão a procurar corresponder às necessidades que são colocadas por aqueles que querem requerer documentação dos serviços consulares (…) e, por outro lado, encontrar-se com empresários, porque na Venezuela há centenas de empresas portuguesas, desde as pequenas empresas de comércio à distribuição, até grandes empresas dos setores agroalimentar e nas infraestruturas essenciais do país (transporte e comércio internacional)", disse.

Crise está a afetar “tremendamente” a comunidade portuguesa

A crise política, económica e social na Venezuela está a afetar "tremendamente" a comunidade portuguesa, relativamente à qual as autoridades de Lisboa devem expressar solidariedade, disse em Caracas o secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus da Madeira.

"O que sinto, pelas conversas que já tive, é que a situação se degradou bastante nestes meses que medeiam entre a minha anterior visita (julho de 2016) e esta que está a ocorrer neste momento", disse.

Sérgio Marques falava à margem de uma visita à Venezuela, que iniciou na terça-feira, conjuntamente com o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro.

"Acho que a situação está a degradar-se acentuadamente e é cada vez mais preocupante, até porque não descortinamos uma saída para esta crise política, social, económica, muito profunda em que a Venezuela está a mergulhar e que afeta, obviamente, tremendamente a nossa comunidade", frisou.

Por outro lado, explicou que a razão da sua atual visita à Venezuela "não é vir aqui descortinar soluções para a crise política, é pelo contrário exprimir um sinal claro de solidariedade com a nossa comunidade". "Nós devemos estar com a nossa comunidade nos bons momentos, mas também nos maus momentos, como é este em que nos encontramos agora aqui na Venezuela", frisou.

Segundo Sérgio Marques, "acima de tudo a visita tem por grande propósito essa expressão de solidariedade para com comunidade". "Não a abandonamos. São madeirenses, independentemente do sítio onde estejam a viver, e portanto é também essa mensagem que quero transmitir com a minha vinda cá", concluiu.

Durante a deslocação, o secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus da Madeira vai encontrar-se com portugueses, empresários e autoridades locais em Caracas, Turumo, Maracay e Valência.

Portugueses "pretendem fazer da Venezuela o seu país de futuro"

À chegada à Venezuela o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, visitou as obras de expansão do Porto de La Guaira, o principal do país, que foi ampliado pela empresa Teixeira Duarte, contando com mais de 5.000 trabalhadores na construção.

"Trata-se de um porto (marítimo) que está numa região que representa 10% do comércio mundial e será uma empresa portuguesa a operar a gestão e administração do Porto de La Guaira", frisou.

Por outro lado, explicou que a grande maioria dos portugueses que se encontra na Venezuela "pretende fazer da Venezuela o seu país de futuro”. “Para muitos deles é a sua pátria, naturalmente com um sentimento hereditário muito forte a Portugal", disse.

A visita à Venezuela serve para lhes dizer que Portugal está com eles num momento especialmente difícil do ponto de vista social e económico, com condições graves do ponto de vista da segurança, salientou.

"A proximidade do secretário de Estado com as pessoas é uma proximidade do Governo, de Portugal, do seu primeiro-ministro, do ministro dos Negócios Estrangeiros, e é de todo o país, também do senhor Presidente da República", explicou.

José Luís Carneiro indicou que, há cerca de três semanas recebeu a informação de que 600 pessoas se tinham inscrito na Segurança Social da Madeira, e que teve conhecimento da chegada de cerca de 190 madeirenses, ainda que muitos tenham manifestado intenção de regressar à Venezuela.

"Muitos pretendem, depois de uma relativa estabilização social, regressar de novo, porque têm aqui os seus investimentos, muito do seu património, em muitos casos têm aqui os seus filhos", concluiu.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.