“Os eleitores conhecem-me há vários anos e sabem perfeitamente que desistir não faz parte da minha trajetória”, afirmou, após formalizar a candidatura junto do Tribunal Constitucional, em Lisboa, com um total de 12.204 assinaturas de cidadãos eleitores.

Confrontada com o facto de Ana Gomes surgir destacada nas sondagens, no segundo lugar, a eurodeputada bloquista e socióloga de 44 anos afirmou que “nunca pediria isso à Ana Gomes (desistir em seu favor)”.

“É preciso haver candidaturas que representem projetos e alternativas para o país. Estamos a falar de uma primeira volta e da necessidade de todos serem representados”, continuou a dirigente do BE, natural de Coimbra.

Marisa Matias, há cinco anos, ficou em terceiro lugar, com 10% dos votos, tornando-se a mulher mais apoiada de sempre em eleições presidenciais em Portugal, atrás do atual chefe de Estado e recandidato, Marcelo Rebelo de Sousa, e do universitário Sampaio da Nóvoa.

“Esta é a candidatura que, com força, afirma a defesa do Serviço Nacional de Saúde e dos outros serviços públicos, que combate a precariedade e luta pela igualdade, além daquilo que tem de ser um programa do país de combate às alterações climáticas, em todas as dimensões.

A candidata presidencial reiterou a sua intenção de, caso seja eleita, não empossar qualquer Governo que dependa do partido da extrema-direita parlamentar Chega por considerar que o mesmo não respeita as regras constitucionais e democráticas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.