“Búlgaros de diferentes idades e filiações políticas exigem a restauração do Estado de Direito e das liberdades civis básicas que têm sido violadas nos últimos anos. A raiva é profunda, tem crescido ao longo dos anos e não pode ser reprimida pelo medo e pela força”, disse o Presidente búlgaro, Ruman Radev, em entrevista à televisão nacional da Bulgária.

Radev, eleito em 2016 com os votos do Partido Socialista, é um crítico do Governo de centro-direita do primeiro-ministro Boyko Borissov, o qual acusa de corrupção, falta de justiça e supressão da liberdade de expressão.

Milhares de pessoas saíram às ruas de Sofia para exigir a renúncia de Borissov e do procurador-geral Ivan Geshev, acusando-os de corrupção e de terem vínculos com grupos criminosos.

Os protestos tiveram início esta semana, depois de Geshev ter ordenado ataques à sede do presidente e prisões de dois de seus assessores por suspeita de tráfico de influência.

Borissov está no poder desde 2009 e o seu terceiro mandato está programado para terminar em março do próximo ano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.