Apesar do novo acordo, alcançado no domingo, entre governo e os camionistas, a greve continua em todo o país, comprometendo o abastecimento de combustível e de alimentos.

“Esprememos todos os recursos governamentais para atender as reivindicações legítimas dos camionistas e para não prejudicar a [companhia petrolífera estatal] Petrobras. A esta altura, não temos mais como negociar, não temos mais o que dar”, declarou Michel Temer à televisão estatal.

Temer destacou ter feito “o possível” e disse acreditar que a situação estará normalizada até hoje.

Numa nota divulgada à imprensa, a Confederação Nacional dos Transportadores Autónomos (CNTA) considerou a paralisação, iniciada a 21 de maio, um êxito e adiantou que se os camionistas não voltarem ao trabalho “tudo o que foi conquistado corre o risco de se perder”.

No balanço desta terça-feira, oito aeroportos continuam sem combustível e vários hospitais anunciaram a falta de material para cirurgias e tratamentos médicos especializados.

Os centros de abastecimento de cidades como o Rio de Janeiro e São Paulo começaram a receber algumas frutas e verduras e os transportes públicos voltaram lentamente ao normal. O transporte público operou em quase 70% e as escolas e universidades já abriram portas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.