O telescópio tem o nome de um antigo administrador da agência espacial norte-americana (NASA) e foi enviado para o espaço em 25 de dezembro, após sucessivos atrasos, num foguetão de fabrico europeu.

A astrónoma portuguesa Catarina Alves de Oliveira, que trabalha no Centro de Operações Científicas da ESA, em Espanha, é responsável pela calibração de um dos quatro instrumentos do James Webb, participando na campanha de preparação das observações com fins científicos.

“O nosso objetivo com as primeiras imagens e dados do Webb é demonstrar o poder dos instrumentos do telescópio e obter um primeiro vislumbre da missão científica”, afirmou, citado no comunicado da ESA, o astrónomo Klaus Pontoppidan, que trabalha no programa científico do telescópio.

Atualmente, o James Webb está a concluir um período preparatório de seis meses dedicado à calibração dos seus instrumentos no espaço e ao alinhamento dos seus espelhos, antes de poder iniciar os seus trabalhos científicos.

Em órbita desde janeiro, a 1,5 milhões de quilómetros da Terra, o telescópio resulta de uma parceria entre a ESA, a NASA, líder do projeto, e a congénere canadiana (CSA).

Os astrónomos esperam com o James Webb obter mais dados sobre os primórdios do Universo, incluindo o nascimento das primeiras galáxias e estrelas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.