Segundo a Fenprof, os professores que entraram para os quadros a partir de 2013 têm mantido os salários de contratados, um problema que levou a federação a tentar que o Ministério da Educação regularizasse a situação.

Sem sucesso junto da tutela, a Fenprof decidiu "recorrer aos tribunais para repor o correto enquadramento na carreira”, com estando prevista para hoje de manhã a entrega de quatro ações nos Tribunais Administrativos e Fiscais (TAF) do Porto, Coimbra e Beja e no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa.

Em comunicado, a Fenprof explica que a entrada em vigor da conhecida “norma travão”, que veio obrigar à integração nos quadros dos docentes com cinco contratos anuais e consecutivos, fez com que esses professores fossem todos integrados no 1.º escalão da carreira, sendo que havia casos de profissionais “com vinte ou mais anos de serviço".

"Esta é uma situação ilegal, pois, não se tratando de uma progressão, deveriam ter sido reposicionados, tendo em conta a sua nova situação profissional. É também, uma situação discriminatória, pois há docentes que, com igual tempo de serviço, estão em escalões distintos, simplesmente porque alguns entraram antes e outros depois de 2013", lê-se na página oficial da Fenprof.

Segundo a Fenprof, esta situação "prejudica e discrimina gravemente cerca de 4.200 docentes".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.