Na sua intervenção na abertura das jornadas parlamentares do PSD, que decorrem até terça-feira na Guarda, Fernando Negrão acusou o Governo de ter começado por “enganar os professores assegurando uma contagem integral desse tempo”, tendo depois o primeiro-ministro dito não haver dinheiro para esse efeito.

“No caso dos professores, os factos são claros. Primeiro facto: o Governo prometeu e agora vem dizer que não pode cumprir. Segundo facto: o prometido é devido, ou como diz o primeiro-ministro António Costa, palavra dada, palavra honrada”, afirmou.

Para o líder parlamentar do PSD “só circunstâncias extraordinárias podem justificar que assim não seja”.

“E se o Governo considera que existem de facto essas circunstâncias extraordinárias devia, no mínimo, começar por reconhecer a sua continuada política de austeridade e pedir desculpa aos professores e com eles recomeçar de boa fé as negociações centradas no essencial e que é a revisão dos respetivos estatutos”, defendeu.

Fernando Negrão anunciou também no arranque das jornadas que o PSD irá aproveitar o seu agendamento potestativo – direito de marcar a ordem do dia - de 27 de junho para um debate parlamentar sobre as propostas apresentadas pelo Conselho Estratégico do partido sobre natalidade e infância.

“Esperemos que os restantes partidos, a começar pelo Partido Socialista, tenham a mesma abertura de espírito para o diálogo e o mesmo sentido de responsabilidade do PSD”, apelou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.