"Todos os órgãos distritais vão demitir-se em bloco na segunda feira com o objetivo de fazer um acerto de calendário", admitiu Alberto Machado, em declarações à Lusa.

Nesse mesmo dia, acrescentou, será a apresentada a sua recandidatura.

À Lusa, o ainda presidente da distrital do PSD/Porto afastou a ideia de esta decisão ter sido motivada pela polémica em torno da escolha dos nomes para a lista de candidatos a deputados, que gerou um coro de críticas.

Aquele dirigente explicou que a decisão comunicada hoje num almoço de delegados, em Viana do Castelo, nada tem que ver com o congresso que decorre até domingo, pretendo apenas legitimar uma direção para começar a preparar o novo ciclo autárquico.

Alberto Machado lembrou que as comissões políticas concelhias "quase todas" estão já "em ciclo autárquico" e a partir, de domingo, o mesmo acontecerá com a Comissão Política Nacional.

"Não faz sentido que a distrital não o fizesse", disse, explicando que só no verão a distrital iria a eleições, pelo que só em setembro a nova direção começaria a preparar o novo ciclo autárquico.

O objetivo, reiterou o dirigente, é "legitimar" a equipa, no sentido de preparar as autárquicas de 2021, não com um ano de antecedência, mas ano e meio.

"Quanto mais depressa tivermos legitimidade para o fazer melhor", defendeu, apontando como o dia 21 de março como data provável para as eleições na distrital do PSD/Porto.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.