As quatro pessoas entraram em campo aos 8 minutos do segundo tempo foram rapidamente controladas e retiradas por agentes de segurança. Depois disso, o jogo continuou.

Os intrusos usavam uniformes, principalmente de polícias, e em nenhum momento tentaram agredir ou abraçar os jogadores.

Minutos mais tarde, o grupo de protestos russo Pussy Riot afirmou, nas suas contas no Twitter e no Facebook, afirmaram que foram os seus membros a protagonizar a invasão.

Representavam os "agentes celestiais que vigiaram os adeptos durante o Mundial (...) e o respeito às regras do jogo", diferentes dos "polícias terrestres" russos que "dispersam manifestações" e "magoam toda a gente", disse o grupo Pussy Riot em comunicado.

A banda explicou que pretendia chamar a atenção para o problema dos presos políticos na Rússia, reclamando principalmente a libertação do diretor de cinema ucraniano Oleg Sentsov, de 42 anos, condenado pela Justiça russa por "terrorismo" e "tráfico de armas".

Os membros do grupo Pussy Riot não foram encontrados quando a AFP tentou entrar em contacto.

A polícia de Moscovo, citada pela agência oficial russa Tass, anunciou que tinha prendido "três mulheres jovens e um rapaz" que tinham invadido o relvado do estádio de Luzhniki, tendo sido levados para um posto.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.