Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Gavião, José Pio, explicou que os moradores de Torre Cimeira e Torre Fundeira “foram retirados” das aldeias e encaminhados para as instalações do lar de idosos de Belver e para a Santa Casa da Misericórdia de Gavião.

“O reacendimento ocorreu sensivelmente pelas 15:45. Com a força que o incêndio traz e com direcionamento que o vento tem a vila de Belver também não está completamente segura”, disse.
Contactada pela Lusa, a presidente da Junta de Freguesia de Belver, Martina de Jesus, relatou que as aldeias de Torres Fundeira e Torre Cimeira “ficaram cercadas” pelas chamas.

“O fogo já anda dentro das aldeias e levantou-se um vento fortíssimo. Pedimos ajuda para evacuar estas aldeias, mas não se vê aqui nada tal é o fumo que anda aqui dentro, isto é dramático", disse.
António Severino, vice-presidente do município, disse, por sua vez à Lusa, que "a força do vento é tal que começámos a evacuar a praia fluvial do Alamal, que fica do outro lado do rio Tejo, com receio das projeções".

Nesta altura [cerca das 16:00] a praia fluvial do Alamal, ainda na freguesia de Belver, "está cheia de gente e a própria pousada que ali está situada tem a lotação esgotada".

"Estamos a mandar as pessoas sair imediatamente dali e dirigirem-se para o centro da vila de Gavião", relatou.

Os incêndios de Mação, em Santarém, e de Gavião, em Portalegre, tiveram várias reativações hoje à tarde, de acordo com a Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC).

“Temos uma reativação do incêndio de Gavião, no distrito de Portalegre, e temos o incêndio em Mação, em Santarém, que de manhã estava com uma perspetiva um bocadinho diferente. Neste momento estamos com o incêndio já com várias reativações”, disse à Lusa, cerca das 16:15, a adjunta-nacional de operações da ANPC, Patrícia Gaspar.

De acordo com Patrícia Gaspar, as zonas mais críticas do incêndio de Mação localizavam-se “um pouco em todo o flanco oeste e sul deste incêndio”: a zona de Alvega, em Abrantes, as zonas de Murteira, Vale da Abelha e Ortiga e Romaninhal, em Mação, e ainda Vale de Onegas, já no concelho do Sardoal.

Do lado de Portalegre “temos neste momento uma frente de incêndio com desenvolvimento complexo, que vai no sentido das [localidades de] Torre Cimeira e Torre Fundeira”, acrescentou.

“Estamos a colocar meios para avaliação da situação, proteção das pessoas e, se necessário for, retirar quem tiver de ser retirado destas localidades”, disse ainda.

De acordo com a página da ANPC na internet, às 16:30 o fogo com origem em Mação estava a ser combatido por 709 operacionais, ajudados por 217 veículos e nove meios aéreos.

O incêndio do Gavião tinha no combate 233 operacionais, ajudados por 78 veículos e três meios aéreos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.