Em declarações à agência Lusa, a diretora de Serviços de Nutrição e Alimentação da DGAV, Ana Paula Bico, explicou que os lotes de goma de alfarroba contaminada estão todos identificados, que os operadores estão "a colaborar ativamente" e que as autoridades competentes estão a verificar o cumprimento das medidas de retirada e recolha impostas.

"Alguns [dos produtos] nem sequer foram produzidos em Portugal. Estão distribuídos pelo Norte e pelo Sul, os lotes estão todos identificados, já foram retirados. A rastreabilidade está a funcionar" afirmou Ana Paula Bico, sublinhando: "nem toda a goma de alfarroba está contaminada".

A responsável acrescentou que a goma de alfarroba é um aditivo autorizado em muitos alimentos como estabilizante ou espessante e aconselhou os consumidores a verificarem a lista de ingredientes dos produtos, onde os aditivos estão classificados pela sua função tecnológica (estabilizante ou espessante) e são indicados ou por escrito (goma de alfarroba) ou com o número (E410), e a contactar os locais de compra.

"As grandes cadeias de distribuição, nas campanhas de fidelização dos clientes, sabem exatamente o que o cliente comprou e não nos é estranho receber uma mensagem no telemóvel a dizer 'comprou uma lasanha que tinha um alergénio não identificado, caso tenha algum problema venha ter connosco’", acrescentou a responsável, frisando que "pelo menos há dois anos" que a grande distribuição faz esses contactos com os seus clientes.

Ana Paula Bico disse ainda que a DGAV está "a todo o momento a receber informações de toda a Europa sobre lotes que estão a ser identificados para serem retirados", um processo que deverá ainda levar mais dois ou três dias.

Questionada pelo SAPO24 quando à marca dos produtos em questão, a diretora de Serviços de Nutrição e Alimentação referiu que "a legislação europeia obriga a que todos os operadores tenham uma rastreabilidade dos produtos que permita de imediato e para cada lote de produto saber os lotes dos respetivos ingredientes e a quem foi cedido (este mecanismo é muito eficaz nestas situações de retirada e/ou recolha dos produtos)".

Desta forma, "no caso concreto, nem todos os lotes de goma de alfarroba estão contaminados pelo que é impossível distribuirmos ou publicarmos listas de produtos contaminados, correndo o risco dessas listas não ser bem interpretadas e causar falsa segurança aos consumidores".

"Efetivamente mais importante do que listas oficiais deve ser a confiança dos consumidores nas Autoridades Competentes e a confiança na cadeia de distribuição. Há inclusive cadeias de distribuição que publicaram a indicação dos produtos retirados nos seu site", explicou.

A DGAV tinha alertado hoje, em comunicado, para a possibilidade de existência no mercado nacional de alguns géneros alimentícios, como gelados, com goma de alfarroba contaminada com um pesticida cancerígeno que representa um grave risco para a saúde.

Nessa nota, explicava que tinham sido identificados, em junho, e notificados através do sistema de Rapid Alert System for Food and Feed (RASFF), alguns géneros alimentícios produzidos com goma de alfarroba (aditivo alimentar E 410) contaminada com óxido de etileno.

Segundo a DGAV, o óxido de etileno é um pesticida não autorizado que “constitui um risco grave para a saúde humana”, uma vez que “está classificado como mutagénico da categoria 1B, cancerígeno da categoria 1B e tóxico para a reprodução da categoria 1B”.

Tendo em consideração os seus efeitos para a saúde, os estados-membros concluíram que, para os produtos que contêm o aditivo E 410 contaminado com o óxido de etileno, “não é possível definir um nível seguro de exposição para os consumidores”, o que significa que a exposição a qualquer teor representa um potencial risco, acrescentava.

(Notícia atualizada às 17h48)

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.