Cerca de 97% dos voos programados para os dias de greve indicados partiram normalmente, no devido tempo, e houve apenas 14 cancelamentos no total das duas jornadas de greve programadas.

O objetivo destas greves é protestar contra o encerramento das bases da Ryanair no sul de Tenerife, Gran Canaria, Lanzarote e Gerona e a demissão previsível de cerca de 520 funcionários, segundo fontes do Sindicato Espanhol de Pilotos das Linhas Aéreas (SEPLA).

Os pilotos realizaram cinco dias de greve (19, 20, 22, 27 e 29 de setembro), enquanto os tripulantes de cabine se juntaram-se a essas paragens e realizaram outras na primeira metade do mês (01, 02, 06, 08, 13 e 15 de setembro).

A este último dia de greve, também se juntaram os pilotos britânicos da companhia irlandesa, depois de terem convocado sete dias de greve para este mês, para reclamar melhores condições laborais e salariais, pensões, seguros, licenças de maternidade e salários semelhantes aos pilotos de outras companhias.

Na sexta-feira, uma centena de pilotos espanhóis e tripulantes de cabine concentraram-se nos aeroportos de Madrid e Tenerife Sul para exigir mais direitos e para contestar alguns serviços mínimos decretados que consideraram "abusivos" e que pretendem denunciar em tribunal.

O SEPLA sublinhou que os serviços mínimos "impediram uma greve como tal" e vão recorrer aos tribunais para exigir o que consideram ser uma fraude legal, uma vez que a companhia aérea está a efetuar contratações para reforçar as suas bases na Europa de Leste e a transferir pessoal e recursos para as companhias Buzz e Laudamotion, do mesmo grupo, em piores condições.

O sindicato dos pilotos também denunciou que a companhia aérea enviou cartas declarando todos os voos como serviços mínimos e forçando a tripulação a trabalhar "sob ameaças e coação".

O SEPLA acredita que o Ministério do Desenvolvimento "olha para o outro lado" e recorda uma decisão recente do Tribunal Nacional sobre os serviços mínimos decretados numa greve da Air Nostrum, na qual o promotor acusou o ministério de se ter inibido dos seus poderes, ao deixar nas mãos da empresa "uma parte interessada no conflito", a decisão sobre voos suspensos em greve.

A Ryanair apoiou recentemente com 50,5% um plano de pagamento de um suplemento até 99 milhões de euros para o presidente executivo Michael O'Leary, quando a companhia aérea estima cortar entre 500 e 700 empregos.

A decisão da empresa de fechar bases no arquipélago das Canárias coincide com a falência do operador turístico britânico Thomas Cook e o golpe que significou para o turismo nas ilhas Canárias e nas ilhas Baleares.

A ilha Canárias acredita que os governos central e das Canárias devem chegar a um acordo com a Ryanair para manter as suas bases nas ilhas e ocupar as rotas que Thomas Cook deixa livre.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.