De acordo com informações preliminares, poderão estar em causa cerca de 700 toneladas de uma mistura de gás de petróleo liquefeito (propano e butano), segundo Andrei Vil, porta-voz da Rostekhnadzor.

A maior empresa petroquímica russa, Sibur, proprietária do gasoduto, indicou que a fuga de gás no sábado provocou um pequeno incêndio no rio Ob, que está coberto de gelo e neve nesta altura do ano, no distrito autónomo de Khantys-Mansis.

Segundo a gigante petroquímica, o incêndio ocorreu a 44 quilómetros de qualquer habitação, pelo que não houve vítimas e não há “riscos para a população nem para o ambiente”.

A Sibur afirma que o petróleo restante é queimado nas infraestruturas previstas para o efeito.

Mas o porta-voz do Rostekhnadzor disse, na sua conta oficial de Telegram, que “as declarações de que não há risco para o ambiente levantam sérias dúvidas”.

Na Rússia, a poluição industrial é frequente devido, em particular, ao envelhecimento das infraestruturas e à falta de controlos.

No início de fevereiro, o gigante mineiro Nornickel foi condenado a pagar 146,2 mil milhões de rublos (1,6 mil milhões de euros), devido ao derrame, no final de maio de 2020, de 21.000 toneladas de combustível em rios no Ártico russo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.