"Em causa estão situações muito precárias e pessoas que há anos procuram melhorar a sua situação laboral, mas ganham entre 300 e 400 euros, tendo de recorrer a outros empregos, quando são funcionários efetivos e necessidades essenciais. O Lidl prefere ter mais gente a trabalhar e pagar menos", disse Bruno Silva, do CESP, coordenador do sindicato no distrito de Braga.

O CESP agendou uma greve para sexta-feira, sábado e domingo no Entreposto - Norte da rede de supermercados Lidl, que fica na freguesia de Ribeirão, concelho de Vila Nova de Famalicão, no distrito de Braga.

Em comunicado, o sindicato refere que "com o receio esperado do impacto da luta dos trabalhadores neste armazém e o não abastecimento das lojas, já hoje, deram entrada cinco trabalhadores contratados a uma empresa de trabalho temporário, a Work Permit".

"À estrutura sindical deste entreposto não lhe foi dado a conhecer o plano de contingências. E espanta-se, que estes novos trabalhadores estão a desempenhar as mesmas tarefas dos trabalhadores Lidl efetivos e sem qualquer medida de distanciamento", acrescenta a nota.

Segundo Bruno Silva esta prática é "reiterada" nesta cadeia de supermercados que "naturalmente adivinha uma adesão à greve avassaladora", à imagem, acrescentou o sindicalista, da greve que aconteceu a meio do ano passado, na qual o CESP diz ter registado uma adesão de 90%.

"Apressaram-se a contratar uma empresa de trabalho temporário para fazer face ao impacto que vão ter [devido à greve]. Temos conhecimento de que as lojas do Norte estão a receber orientações para que os produtos sejam encomendados [aos gestores do Entreposto] até ao fim de semana. Querem que os efeitos da greve sejam diminutos", referiu Bruno Silva.

Ainda de acordo com nota do sindicato, os objetivos da greve são o aumento dos salários de todos os trabalhadores, a negociação do caderno reivindicativo, bem como a resolução dos problemas dos trabalhadores do Lidl.

O CESP acusa a empresa de "não quer conversar": "Ao longo dos anos esteve disponível para ver o caderno reivindicativo, dialogar, mas nunca esteve disposta a negociar", disse Bruno Silva.

Já na nota do CESP lê-se como slogan da greve "A um posto de trabalho permanente, exigimos um vínculo efetivo", argumentando o sindicato que ao Lidl Portugal "tudo serve" e este "recorre apressadamente a mão-de-obra barata e precária", enumerando o recurso a trabalhadores oriundos de países do sul da Ásia, nomeadamente paquistaneses e indianos.

"São países que se encontram com elevados níveis de contaminação do SARS-CoV-2 [novo coronavírus] e ainda recentemente impuseram medidas mais duras, como o confinamento das suas populações", lê-se na nota.

Para o sindicato é "inaceitável" que "muitos trabalhadores aufiram salários bem inferiores ao salário mínimo nacional" o que faz com que, diz a estrutura sindicalista, "vivam abaixo do limiar da pobreza".

"Importa para o Lidl é investir milhões de euros a cada ano em publicidade e campanhas de marketing, entrando pelas casas adentro publicidade enganosa e camuflando aos olhos de todos os portuguesas a dura realidade que vivem estes trabalhadores Lidl", conclui a nota.

A agência Lusa contactou via email e telefone a cadeia de supermercados, tendo esta remetido esclarecimentos para mais tarde.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.