O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio e Serviços (CESP) denunciou esta segunda-feira, 18 de novembro, o caso de uma trabalhadora do Pingo Doce que se urinou no posto de trabalho depois de ter sido impedida de sair do local — apesar de ter pedido repetidas vezes para ser substituída. O Pingo Doce "procurou apurar os factos junto da equipa de loja, não existindo conhecimento deste caso", pelo que não encontra "qualquer fundamento para esta denúncia".

Segundo o sindicato, o caso aconteceu na loja do Pingo Doce da Bela Vista, em Lisboa, onde "a repressão a que os trabalhadores são submetidos pela responsável de loja tem dado azo a muitas situações humilhantes".

Neste caso em concreto, segundo o comunicado, "o pedido da trabalhadora para ser substituída na caixa, para poder ir comer e usar a casa de banho, foi sucessivamente negado, acabando por urinar no posto de trabalho".

"O CESP – Sindicato dos Trabalhadores do Comércio e Serviços já exigiu à Jerónimo Martins, empresa proprietária do Pingo Doce, que tome medidas em conformidade com a gravidade desta situação".

Contactada pelo SAPO24, a empresa diz que após ter tido conhecimento da situação, "o Pingo Doce procurou apurar os factos junto da equipa de loja, não existindo conhecimento deste caso, nem pelas chefias, nem pelos restantes colaboradores. Não encontramos, por isso, qualquer fundamento para esta denúncia".

Acrescenta ainda a empresa que "para além dos intervalos de descanso legais, o Pingo Doce dá aos seus colaboradores tempo de pausa extra durante a jornada de trabalho. Além disso, qualquer colaborador que necessite de se ausentar por motivos de força maior, tem sempre essa possibilidade, informando previamente a sua chefia".

Esta não é a versão do sindicato, que denuncia que é "a própria empresa a fomentar este clima de intimidação, sentido na generalidade das lojas Pingo Doce", acrescentando que "chegam ao sindicato várias queixas de episódios igualmente lamentáveis um pouco por todo o país".

"Os trabalhadores do Pingo Doce recebem pouco acima do salário mínimo nacional mas são obrigados a horários longos e completamente desregulados e a ritmos de trabalho intensíssimos", conclui a nota.

O SAPO24 pediu mais esclarecimentos junto do sindicato sobre este caso, mas até ao momento de publicação deste artigo não obteve resposta.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.