“Não deve ser apenas uma medida para a administração pública, deve ser vista como uma medida para todos os trabalhadores”, afirmou Helena Rodrigues aos jornalistas, à saída de uma reunião no Ministério das Finanças, onde a proposta do Governo sobre o assunto foi discutida.

No encontro com a secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, Fátima Fonseca, esteve ainda a ser debatido no novo curso de formação para técnicos superiores, designado por programa de Capacitação Avançada para Trabalhadores em Funções Públicas (CAT).

A líder do STE considerou que o curso “é uma boa medida”, mas defendeu que a capacitação de quadros superiores deve acompanhar a valorização dos salários.

“Não é só capacitar com formação adicional e cada vez remunerar com salário mais baixos”, sublinhou Helena Rodrigues, apelando a “melhores remunerações” na administração pública.

O CAT irá substituir o Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) que previa uma propina de cinco mil euros a pagar pelos trabalhadores, garantindo emprego no Estado.

O novo curso, de acordo com a proposta do Governo, estabelece que a propina, a definir pelo executivo, “é suportada integralmente pelos órgãos ou serviços de origem dos respetivos trabalhadores” ou pelo próprio trabalhador no caso de pretender frequentar o curso em regime de autoformação.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.