“Viemos exigir que sejam contabilizados os pontos para efeitos de progressão, que sejam corrigidas injustiças decorrentes da carreira de enfermagem que este Governo impôs e que sejam encontrados mecanismos de compensação, designadamente da penosidade, desde logo através da aposentação mais cedo. Não é admissível que os enfermeiros continuem a exercer funções com qualidade aos 66 ou 67 anos”, afirmou o presidente do SEP, José Carlos Martins.

Através de uma sátira, intitulada “Vícios privados, públicas virtudes”, cerca de duas dezenas de enfermeiros protestaram com cartazes e balões contra o que dizem ser a diferença de postura do executivo na hora de apoiar o setor da banca e o apoio aos profissionais de enfermagem, num protesto que decorreu ao som da música “Os Vampiros”, de Zeca Afonso, e sob o olhar atento de meia dúzia de agentes da polícia junto ao ministério.

O líder do SEP, José Carlos Martins, foi o narrador desta ‘peça de teatro’, na qual um enfermeiro com uma máscara do rosto do primeiro-ministro, António Costa, ia depositando cheques num mealheiro para parcerias público-privadas (PPP), banca e paraísos fiscais. Do outro lado, uma enfermeira com a máscara da ministra da Saúde, Marta Temido, ia largando moedas para os enfermeiros, que por várias vezes até erraram o alvo e caíram na estrada.

“Da parte dos sucessivos governos, e também deste, não faltam milhares de milhões de euros para parcerias público-privadas, para milhões em impostos que fogem através de ‘offshores’ e milhares de milhões que vão para a banca. E não há cêntimos ou o dinheiro necessário para a justa solução [dos problemas] dos trabalhadores, neste caso, dos enfermeiros. Por isso, viemos exaltar essa profunda contradição para um governo que se diz de esquerda”, frisou.

Após a rábula, José Carlos Martins entregou uma moção com as principais reivindicações, nomeadamente: contagem justa de pontos para progressão na carreira; compensação por risco e penosidade através de condições especiais para aposentação; pagamento da última tranche (25%) do ‘descongelamento’ da carreira aos enfermeiros que passaram para categoria diferente; reconhecimento de uma carreira única; e, por fim, admissão de mais enfermeiros.

“Estas reivindicações permanecem porque os governos não têm adotado as medidas de solução exigidas. É inadmissível que o atual governo, num quadro em que se perspetiva a agudização da situação pandémica [de covid-19] e num quadro de valorização que utiliza na retórica, não encontre medidas de solução. Não estamos a exigir aumentos salariais, queremos a justa solução para os problemas dos enfermeiros”, sentenciou.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.