“A nossa posição é de que todo o trabalhador deve ter o direito à greve. Se é trabalhador, tem de ter o direito de greve. Não é porque é polícia, não é porque é médico, enfermeiro, ou outra profissão qualquer, que tem de ter diferentes direitos quando é trabalhador por conta de outrem, neste caso, trabalhador do Estado”, disse à Lusa Armando Ferreira, presidente do Sindicato Nacional da Polícia (SINAPOL) de Portugal.

Armando Ferreira falou à margem do encontro da Organização Internacional de Entidades Representativas de Polícias de Língua Portuguesa (OIP), que se realiza sede Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.