Os dados, divulgados hoje pela ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos, precisam que entre as vítimas mortais há 224 civis, 38 deles menores, 311 ‘jihadistas’ e 106 membros das FDS e aliados.

Há duas semanas, o Observatório divulgou números segundos os quais entre 23 de maio e 23 de junho os bombardeamentos da coligação internacional em Raqa mataram 250 civis, 53 dos quais crianças, e precisou tratar-se do número mais elevado de civis mortos desde o início das operações militares da coligação na Síria, a 23 de setembro de 2014.

O porta-voz da coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos, reagiu aos números divulgados hoje afirmando que eles se baseiam em “fontes pouco fiáveis” e que a coligação publica os seus números, obtidos “através de um método transparente”.

“A maior parte [dos outros balanços] não se baseia em análises tão detalhadas e baseia-se frequentemente […] em fontes pouco fiáveis”, disse o porta-voz, o coronel Ryan Dillon.

Segundo o Observatório, que recolhe informação através de uma rede de ativistas, voluntários e médicos no terreno, as FDS enfrentam resistência dos ‘jihadistas’ na cidade velha, no leste de Raqa, e no bairro de Al-Hal, no sul.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.