“A França pede uma trégua na Ghouta Oriental para garantir a retirada necessária dos civis, a criação de todos os acessos humanitários indispensáveis, o mais rápido possível”, declarou Macron aos jornalistas após um encontro com o Presidente da Libéria, George Weah.

O OSDH indicou hoje que, desde domingo, 296 pessoas, das quais 71 crianças e 42 mulheres, foram mortas e outras 1.400 ficaram feridas nos bombardeamentos do regime de Bashar al-Assad contra Ghouta Oriental.

As tropas de Damasco preparar-se-ão para desencadear uma operação terrestre de envergadura contra este bastião rebelde sitiado desde 2015 e onde ainda permanecem 400.000 pessoas.

“A França está plenamente comprometida no quadro da coligação internacional na Síria para lutar contra os terroristas islâmicos, mas o que se passa na Ghouta Oriental atualmente é claramente, vigorosamente condenado pela França”, adiantou Macron.

“Sob pretexto da luta contra os terroristas, o regime, com alguns dos seus aliados, decidiu atacar populações civis e presumivelmente alguns dos seus opositores”, disse ainda o presidente francês, indicando ser por isso que Paris pede “uma trégua”.

“Pedimos assim a aprovação imediata de uma resolução das Nações Unidas sobre este assunto”, precisou.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.