Pedro Siza Vieira falava sobre o ensino à distância e na necessidade, "no imediato", de crianças que não dispõem de equipamentos ou de ligações à Internet poderem ter esses equipamentos, na comissão parlamentar de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.

"Neste momento, já foram disponibilizados 84 mil computadores, incluindo soluções de conectividade, ou seja, dispositivos para ligação dos computadores à Internet", salientou o governante.

Além disso, "já estão também feitas encomendas e serão feitas entregas nas próximas semanas relativamente a mais 335 mil computadores, o que nos permite chegar aos alunos que beneficiam de apoio escolar e mais carenciados", prosseguiu o ministro da Economia.

Siza Vieira sublinhou que "estes equipamentos têm uma solução de conectividade associada, ou seja, os alunos que beneficiam desta entrega de equipamentos não apenas terão os terminais, mas também gratuitamente a ligação à Internet".

Já algo diferente é a tarifa social de Internet, que não é dirigida aos alunos, porque "esses terão uma solução de conectividade gratuita", mas sim às famílias carenciadas.

"Estamos a rever o tema das moratórias"

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital afirmou hoje que está a "rever o tema das moratórias", mas não avançou detalhes, salientando que tal será feito de forma "estruturada e clara".

Em resposta ao Bloco de Esquerda, o governante afirmou: "Já disse que estamos a rever o tema das moratórias". O governante disse entender que "é importante haver perspetivas", salientando que as moratórias de crédito terminam em setembro deste ano.

"Obviamente antes disso teremos que dar noção disso, vamos fazê-lo de forma que seja estruturada e clara", acrescentou, sem avançar mais detalhes.

Já sobre a conjuntura económica, Siza Vieira salientou que, "perante a contração brutal da procura mundial e o consumo interno resultante de restrições à atividade económica", a prioridade de 2020 não era o crescimento económico, mas "mitigar o mais possível o impacto" sobre o emprego e o rendimento das famílias.

Desse ponto de vista, "tendo em conta as características da nossa economia, chegámos todos ao fim do ano com resultados" que "não confirmaram as piores previsões que praticamente todas as instituições faziam", apontou.

"O valor do desemprego durante o ano de 2020, o INE [Instituto Nacional de Estatística] fez sair as projeções e aquilo que sabemos é que a taxa de desemprego, no conjunto do ano, esteve em 6,8%, são mais 0,3 pontos percentuais do que tivemos no final de 2019", apontou.

Pedro Siza Vieira sublinhou que "o esforço de mitigação do impacto da crise é importante".

Questionado sobre a ASAE - Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, considerou a entidade uma "estrutura essencial" e salientou que o quadro de inspetores conta com "cerca de 252" neste momento.

No entanto, admitiu que a ASAE "tem muitas necessidades de investimento".

No ano passado, "entregámos 30 viaturas, é insuficiente e temos de continuar a fazer esse trabalho", disse, acrescentando está a ser feito um "investimento muito importante no Laboratório de Segurança Alimentar".

Já sobre a Efacec, relembrou uma empresa "que atua nos mercados internacionais, é uma empresa exportadora de engenharia, de capacidade industrial", que também atua "no mercado nacional com uma componente muito grande de substituição de importações" que "precisa de liderança, designadamente acionista, que saiba atuar" nesses mercados.

Por isso, "a intervenção do Estado, que se fez por uma razão de circunstância, há de ser temporária", concluiu Pedro Siza Vieira.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.