O terramoto causou ainda 18 feridos graves, dos quais 17 foram transferidos para as cidades de Chengdu e Mianyan para tratamento.

Mais de 60 mil pessoas, incluindo 126 estrangeiros, foram retiradas da zona, na sequência das réplicas que se seguiram, indicou a imprensa estatal chinesa.

As autoridades indicaram ter detetado vários desabamentos de terra, sem nenhum desmoronamento de edifícios, segundo um estudo da Academia de Ciência Chinesa, citado pela imprensa, feito a partir de imagens de satélite reunidas após o terramoto de magnitude 6,5 na escala de Ritchter, na terça-feira.

O abalo afetou sobretudo Jiuzhaigou, um vale famoso pelas cataratas, e um dos destinos do centro da China mais visitado por turistas.

Uma mulher do Canadá sofreu ferimentos ligeiros na cabeça e um cidadão francês ficou ferido em ambas as pernas e teve que ser submetido a uma cirurgia para remoção de fragmentos, noticiou a agência oficial Xinhua.

A agência avançou que os seus fotógrafos na região presenciaram “danos grandes” em cenários pitorescos, incluindo lagos e quedas de água.

Em 2008, Sichuan sofreu um dos piores terramotos das últimas décadas, que fez quase 90.000 mortos.

Na quarta-feira, outro terramoto atingiu o noroeste da China, a 2.200 quilómetros de Jiuzhaigou, causado 32 feridos, dois dos quais em estado grave.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.