O estudo de opinião, realizado entre 10 e 14 de março e que tem uma margem de erro de 3,07%, indica uma diferença 15,5 pontos percentuais entre os três partidos da esquerda (PS, CDU e BE, com 52,5%) e as três forças da direita (PSD, CDS-PP e Aliança, com 37%).

De acordo com a projeção global da Eurosondagem, o PS obtém 37,3%, longe da maioria absoluta, mas à frente do PSD, que regista 25,2%.

O CDS-PP volta a ser o terceiro partido mais votado, com 8,5%, seguido pelo BE, com 8,1%, e pela CDU, com 7,1%.

A Aliança, de Pedro Santana Lopes, com 3,3%, ultrapassa o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), que obtém 2,4%, um resultado acima do alcançado nas legislativas de 2015, 1,4%.

Na comparação com os resultados das legislativas de outubro de 2015, os socialistas sobem cinco pontos percentuais, passando de 32,3% para 37,3%.

O PSD e o CDS-PP, com 33,7% em conjunto, recuam três pontos percentuais relativamente ao resultado alcançado em 2015 pela coligação PAF (Portugal À Frente), que registou 36,9% dos votos.

A CDU e o BE descem, registando 7,1% e 8,1%, respetivamente. A coligação PCP-PEV tinha alcançado 8,25% e perde nesta sondagem 1,1 pontos percentuais. Já os bloquistas, que tiveram 10,2%, perdem dois pontos percentuais.

No estudo da Eurosondagem, 19% “não sabem ou não respondem” ao inquérito e 8,1% admitem votar branco, nulo ou em partidos que não constam do questionário.

PSD só ganha ao PS em legislativas na região da Madeira

Se as legislativas fossem hoje, o PSD apenas ganharia ao PS na Madeira, revela a sondagem, quando faltam cerca de seis meses para as eleições regionais no arquipélago.

Apesar de não fazer qualquer extrapolação para as eleições regionais, a projeção para a Madeira coloca os sociais-democratas à frente dos socialistas, com 34,2% contra 31,6%, uma diferença de 2,6 pontos percentuais.

A Madeira, onde o PS irá candidatar Paulo Cafofo numa coligação para enfrentar o PSD de Miguel Albuquerque, é mesmo a única região em que o partido de Rui Rio supera o de António Costa. Em todas as outras regiões avaliadas, o PS surge à frente, com destaque para os Açores, onde obtém 43,8% contra 28,1% do PSD.

Além dos Açores, o PS consegue as suas maiores vantagens na região Sul (41,9% contra 14,8% do PSD) e região Centro (38,9% contra 29,2% do PSD). O pior resultado dos socialistas é precisamente o da Madeira.

Já o PSD, depois da Madeira, alcança do seu maior 'score' na região Norte, com 32,2%, seguida pelo Centro (29,2%). Na Área Metropolitana de Lisboa obtém 18,9%.

O CDS-PP de Assunção Cristas obtém o seu melhor resultado na Madeira, com 10,5%, e o pior no Sul, com 4,1%.

O BE alcança o seu melhor resultado na região Sul (12,2%) e o pior nos Açores, com 3,1%.

Quanto à CDU, tal como o BE, obtém o 'score' mais elevado no Sul, com 14,8%, e o pior nos Açores, com 3,1%.

O estudo da Eurosondagem para o Sol, Porto Canal, Diário de Notícias da Madeira e Diário Insular dos Açores foi realizado de 10 a 14 de março de 2019, através de "entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados".

O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e Regiões Autónomas, para telemóveis e telefones da rede fixa.

A amostra foi estratificada por região, tendo resultado, Norte – 18,4%; Área Metropolitana do Porto – 13,0%; Centro – 26,4%; Área Metropolitana de Lisboa – 24,5%; Sul – 9,0%; Região Autónoma dos Açores – 3,9%; Região Autónoma da Madeira – 4,7%, num total de 1.020 entrevistas validadas.

Foram efetuadas 1.171 tentativas de entrevistas e, destas, 151 (12,9%) não aceitaram colaborar no estudo de opinião.

O erro máximo da amostra é de 3,07%, para um grau de probabilidade de 95,0%.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.