Em comunicado, a diplomacia da ilha defendeu a resolução das disputas “em conformidade com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar” e a liberdade de navegação e sobrevoo, ao mesmo tempo que pediu que se detenha a militarização na região.

“Taiwan nunca teve planos para permitir utilizar a ilha Taiping – situada no arquipélago das Spratly – a nenhum país estrangeiro, incluindo os Estados Unidos”, lê-se no comunicado.

O Governo de Taiwan fez ainda um apelo à imprensa para que não divulgue “notícias falsas” que possam perturbar os laços com a China ou exacerbar as disputas no mar do Sul da China.

Por fim, reiterou a política de utilizar a ilha de Taiping para trabalhos de “ajuda humanitária e pesquisa científica internacional”.

Taiwan controla duas ilhas no mar do sul da China, Pratas e Taiping, e é um dos países que reivindica a soberania sobre este espaço estratégico rico em recursos naturais, juntamente com a China, Vietname, Filipinas, Malásia e Brunei.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.