À saída das instalações do Campus de Justiça, em Lisboa, depois da conclusão do interrogatório a Afonso Salema, um dos cinco detidos no âmbito daquela investigação do Ministério Público, o advogado Pedro Duro disse aos jornalistas contar apresentar as alegações no domingo, às 11:00.

“As medidas de coação serão quando o juiz tiver condições, se eu tive uns dias duros, o juiz teve uns dias muito duros, porque esteve a ouvir toda a gente, portanto ele terá obviamente de digerir isto tudo. Se consegue fazer domingo, ou segunda, não sei”, afirmou Pedro Duro.

Segundo informação avançada pelo advogado, na sexta-feira, Afonso Salema vai renunciar às funções na Start Campus, após ser sujeito a interrogatório judicial.

À saída do Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, o advogado de Afonso Salema justificou a renúncia com “a proteção do nome bom nome da empresa, na proteção dos trabalhadores e do projeto”.

Pedro Duro afirmou também que, independentemente de Afonso Salema ficar ou não em prisão preventiva, “há um conjunto de consequências até reputacionais que é preciso acautelar para assegurar o futuro da empresa e daqueles que nela trabalham”.

Além dos dois administradores da Start Campus, que está no centro das investigações, estão também detidos Vítor Escária, chefe de gabinete do primeiro-ministro exonerado, Diogo Lacerda Machado, advogado, consultor e amigo de António Costa e Nuno Mascarenhas, presidente da Câmara de Sines.

Nuno Mascarenhas, foi primeiro a prestar declarações, na quinta-feira, seguindo-se Rui Oliveira Neves, Afonso Salema, Vítor Escária, e, por último, Diogo Lacerda Machado.

A operação de terça-feira do Ministério Público levou à detenção de cinco pessoas para interrogatório e a constituição de quatro arguidos, designadamente o ministro das Infraestruturas, João Galamba, o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, Nuno Lacasta, o advogado e antigo porta-voz do PS, João Tiago Silveira, e a empresa Start Campus.

Na investigação aos negócios do lítio, hidrogénio verde e do ‘data center’ de Sines podem estar em causa os crimes de prevaricação, corrupção ativa e passiva de titular de cargo político e tráfico de influência.

O primeiro-ministro, António Costa, que apresentou a demissão na terça-feira, é alvo de uma investigação autónoma do MP num inquérito instaurado no Supremo Tribunal de Justiça, após suspeitos terem invocado o seu nome como tendo intervindo para desbloquear procedimentos nos negócios investigados.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.