“Vamos impugnar”, indicou a mesma fonte, acrescentando que as contraordenações “não inibem a atividade profissional” de Tomás Correia e que “recaem sobre processos de crédito concedidos a empresa do grupo e não a clientes externos”.

Esta quinta-feira foi conhecido, pelo jornal Público, que o Banco de Portugal condenou Tomás Correia, sete ex-administradores e ainda o próprio banco Montepio a multas por irregularidades relacionadas com concessão de créditos, no âmbito de um processo de contraordenação que teve origem na auditoria especial feita em 2014, a pedido do banco central.

Tomás Correia, atualmente presidente da Associação Mutualista Montepio Geral (dona do banco Montepio), foi condenado a pagar 1,25 milhões de euros.

Já o banco Montepio foi condenado em 2,5 milhões de euros.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.