“Gostaria que [a China] nos tivesse dito antes o que estava a acontecer. Nós não sabíamos até ter começado a ser publicado”, declarou Trump, numa conferência de imprensa junto da equipa de combate ao novo coronavírus, na Casa Branca, liderada pelo vice-presidente, Mike Pence.

Trump disse que se tivesse sabido com antecipação poderia ter procurado encontrar uma solução e lamentou que a China tenha sido “muito reservada” a esse respeito.

O presidente norte-americano sublinhou ainda que, quando teve conhecimento sobre a covid-19, ordenou “o encerramento”, numa alusão às restrições de entrada que impôs aos viajantes da China e, posteriormente, da Europa, que considerou como um facto “positivo”.

Pequim “não tirou benefícios” desta atitude, tendo, ao invés, perdido “milhares e milhares de pessoas”, acrescentou, depois de admitir que em 24 de janeiro elogiou o “trabalho duro” do gigante asiático contra o vírus.

“Na altura estavam a ser transparentes”, alegou Trump, que qualificou de “extraordinária” a relação com o seu homólogo chinês, Xi Jinping.

Donald Trum negou que tenha respondido tarde à pandemia, depois de o diário The Washington Post ter noticiado que as agências de inteligência norte-americanas tinham emitido advertências em janeiro e fevereiro último sobre o perigo global que representa o novo coronavírus.

O jornal referiu que tanto o Presidente norte-americano, como os legisladores minimizaram a ameaça e não tomaram medidas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 290 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 12.700 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, com a Itália a ser o país do mundo com maior número de vítimas mortais, com 4.825 mortos (mais 793 do que na sexta-feira) em 53.578 casos (mais 6.557, um recorde em 24 horas). Segundo as autoridades italianas, 6.062 dos infetados já estão curados.

A China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, onde a epidemia surgiu no final de dezembro, conta com um total de 81.008 casos, tendo sido registados 3.255 mortes e 71.740 pessoas curadas.

Os países mais afetados a seguir à Itália e à China são o Irão, com 1.556 mortes num total de 20.610 casos, a Espanha, com 1.236 mortes (24.926 casos), a França, com 562 mortes (14.459 casos), e os Estados Unidos, com 260 mortes (19.624 casos).

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.