"A mensagem hoje do Presidente Putin é uma grande desilusão para todos os que desejam o fim rápido da guerra e o restabelecimento da paz na Ucrânia e a necessidade urgente de conter os efeitos à escala global que esta guerra está a ter", declarou António Costa aos jornalistas, na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque.

Hoje, numa comunicação ao país, o Presidente da Federação Russa anunciou a mobilização de reservistas, referendos para a anexação de territórios ucranianos e prometeu recorrer a "todos os meios ao seu dispor para proteger" o país, numa alusão ao armamento nuclear, acrescentando: "Isto não é 'bluff'".

Segundo o primeiro-ministro, o discurso que Joe Biden fez a seguir perante a Assembleia Geral das Nações Unidas "foi de uma grande serenidade, muito claro a reafirmar que a guerra nuclear não pode existir e que, portanto, essas ameaças são de uma total irresponsabilidade e não é mesmo o caminho a seguir".

O Presidente dos Estados Unidos da América acusou a Rússia de "violar descaradamente" os valores da ONU com "a guerra brutal e desnecessária" na Ucrânia e condenou a "ameaça nuclear sobre a Europa", declarando que "é impossível vencer uma guerra nuclear, ela não deve ser travada".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou que a mensagem de Vladimir Putin "deve ser encarada com serenidade", referindo que "já não é a primeira vez" que o Presidente russo "sobe o tom vocal, o tom verbal".

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, Putin falou na Rússia para ser ouvido num momento em que decorre em Nova Iorque o encontro entre líderes mundiais na Assembleia Geral da ONU, "mas o que importa é manter a mesma serenidade, as mesmas posições de princípio".

O primeiro-ministro está desde segunda-feira em Nova Iorque para participar precisamente no debate geral da 77.ª sessão da Assembleia Geral da ONU, em que irá intervir na quinta-feira, regressando nesse dia a Lisboa.

Hoje, falou aos jornalistas depois de um encontro bilateral com o Presidente do Senegal, Mack Sall, que é o presidente em exercício da União Africana.

"Basta falar com o conjunto de líderes que vamos encontrando aqui nas Nações Unidas para compreender bem como em todo o mundo esta guerra está a ser muito dura", disse António Costa.

Relativamente aos efeitos da guerra na Ucrânia, Mack Sall "sublinhou a importância de rapidamente se ultrapassarem as restrições que existem em matéria de liberdade de circulação não só das sementes, não só dos cereais, mas sobretudo dos fertilizantes e tudo o que é necessário para assegurar as próximas culturas", relatou.

Segundo o primeiro-ministro, "a União Europeia desse ponto de vista está a fazer um esforço grande para clarificar que as sanções nenhum destes produtos, nem a sua circulação, nem o seu pagamento" e também "hoje o Presidente Biden foi muito claro na intervenção que fez a dizer que não há sanções relativamente aos fertilizantes".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.