Durante o período da II Guerra Mundial, muitos refugiados aguardavam nas cidades portuguesas o embarque num navio ou avião que os levaria ao exílio definitivo, tornando “mais cosmopolita” o pacato ambiente de um pequeno país periférico, onde tudo chegava mais tarde.

“Os portugueses diziam que era o Montparnasse parisiense, mas ´bonpernasse´, devido às pernas que as refugiadas mostravam nas esplanadas”, contou à agência Lusa a historiadora Irene Flunser Pimentel.

“No início vinham com casacos de peles, muitos deles com automóveis, que depois acabaram por vender, e acabaram por contagiar um pouco as mentalidades dos portugueses e das próprias mulheres portuguesas”, referiu a historiadora ao recordar o ambiente vivido na época em Portugal.

“Muitas destas mulheres refugiadas sentavam-se nas esplanadas a fumar – assim como faziam nos seus países -, tinham saias muito mais curtas do que as portuguesas, não punham luvas, nem chapéu no verão, e eram uma espécie de espetáculo que era visto no Rossio, na Suíça,”, exemplificou, referindo-se a uma das mais carismáticas pastelarias de Lisboa.

Também pequenas cidades, como as Caldas da Rainha e a Figueira da Foz, onde havia hotéis e pensões, experimentavam um pouco daquele ambiente, já que muitos refugiados foram colocados em residência fixa nessa zona.

“Como não podiam trabalhar, a única coisa que esperavam era um visto dos países de destino e se não o tivessem ou ao navio, que passou também a ser difícil de arranjar - porque os EUA também entraram na guerra – estavam nas esplanadas. E, portanto, eram vistos pelos portugueses e eram considerados figuras muito mais ricas, cosmopolitas”, notou.

Hannah Arendt, entre as refugiadas que passaram por Portugal

Muitos nomes consagrados passaram por Portugal nessa altura, por vezes clandestinamente e por pouco tempo, como foi o caso de Hannah Arendt, filósofa política alemã de origem judaica, considerada uma das mais influentes do século XX.

“Não é muito conhecido, mas esteve cá três meses a aguardar um navio”, atestou a historiadora.

Arendt chegou a Portugal com vistos obtidos em Marselha através de uma organização norte-americana de apoio a refugiados “em perigo especial”. Muitas situações eram de adversários políticos.

Por Lisboa passou igualmente Franz Werfel, poeta e dramaturgo da Áustria, com a mulher (Alma), também artista, muitos escritores alemães, como Heinrich Mann, irmão de Thomas Mann, e Golo Mann, filho do autor de “A Montanha Mágica”, e também a filha Erica Mann.

“Muitos outros, músicos, atores, personalidades muito importantes passaram por aqui durante a II Guerra, a pontos que os jornais portugueses, que não podiam falar de refugiados, só falavam de refugiados de guerra, não de perseguições anti-semitas ou políticas, acabaram por dizer que Portugal era a nova Hollywood”, relatou a historiadora, em entrevista à Lusa.

Diplomatas portugueses salvaram entre 60.000 e 80.000 refugiados do regime nazi

Entre 60.000 a 80.000 refugiados do regime nazi, maioritariamente judeus, terão sido salvos pela intervenção de diplomatas portugueses durante o período da II Guerra Mundial, estimou também a historiadora.

Além de Aristides Sousa Mendes, o cônsul de Portugal em Bordéus, que em julho de 1940 desobedeceu às ordens do chefe do Governo, Oliveira Salazar, concedendo milhares de vistos, outros diplomatas tiveram intervenção direta no salvamento de judeus e outros refugiados em diferentes momentos, entre os anos 30 do século XX e o final da guerra, em 1945.

“Há vários diplomatas que escrevem ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, cujo ministro é o próprio Salazar, dizendo que não podiam dizer a palavra ´não´”, contou a historiadora, com vários livros editados sobre este período, entre os quais “Salazar, Portugal e o Holocausto”, (em coautoria com Cláudia Ninhos).

Um dos casos esquecidos, frisou, é o de José Augusto Magalhães, ministro plenipotenciário (chefe de missão diplomática) em Marselha: “Ele explica porque não pode obedecer a uma circular e pede a demissão”.

A circular em causa impedia os cônsules de concederem vistos a cidadãos que estavam impedidos de regressarem livremente aos países de origem, o que visava os judeus.

“Houve vários tipos de atitudes”, explicou, recordando outro caso. Agenore Magno, italiano, cônsul honorário em Milão, que a partir de 1938 concedeu vários vistos a judeus, já contra as leis da época, até ser afastado do cargo e impedido de passar mais vistos: “Mas fica a gerir o consulado em Milão”.

Muitos outros diplomatas tentaram justificar a sua ação e no caso de Agenore Magno era apoiado pelo embaixador em Roma. O superior hierárquico defendeu que o cônsul pode ter concedido vistos contra as ordens e as circulares da PVDE (polícia política do Estado Novo antecessora da PIDE) e do Ministério dos Negócios Estrangeiros, mas fê-lo por razões humanitárias.

“Houve outros, sobretudo cônsules honorários, porque normalmente eram da nacionalidade dos países onde atuavam”, contou a especialista em história contemporânea.

Irene Pimentel recordou também o cônsul honorário em Hamburgo, judeu alemão, tal como outros que ocupavam postos em consulados um pouco por toda a Alemanha, e o papel desempenhado por Veiga Simões, ministro plenipotenciário em Berlim até 1940.

“Não é que ele desobedeça, ele dá muitos vistos e, sobretudo, tenta que o Ministério dos Negócios Estrangeiros e Salazar seja mais aberto na concessão de vistos”, referiu.

“Não entravam nesses países o desgraçado do alfaiate da aldeia polaca dos confins da Polónia, não! Eram médicos, juristas, artistas”

O diplomata tentou convencer o chefe do Governo de que havia personalidades que seriam muito importantes para Portugal e pediu vistos nem que fosse apenas para um determinado grupo. “Havia uma seleção dos judeus a quem se davam os vistos, aliás, o que faziam todos os outros países europeus, mesmo democráticos, e os EUA”, assumiu a historiadora, que foi Prémio Pessoa 2007.

“Não entravam nesses países o desgraçado do alfaiate da aldeia polaca dos confins da Polónia, não! Eram médicos, juristas, artistas”, acrescentou.

Os diplomatas atuaram num contexto desencadeado a partir de 1933, quando começam a chegar aos vários países europeus refugiados que fogem da perseguição política e de “raça”, como o caso dos judeus, que assim eram considerados pelo regime nazi, uma “raça à parte” que estava na Alemanha.

Começaram por ser retirados das profissões, da administração pública e depois das várias profissões liberais, das escolas, das universidades, até que, em 1938 – ano chave na perseguição anti-semita – a política passa a ser não só de perseguição a nível interno, mas também de expulsão.

Um visto para Portugal, ainda que de duração limitada (30 dias), assegurava que estavam salvos e podiam seguir viagem para África ou para as Américas.

Ao saírem, tinham um passaporte especial, dizendo que não podiam regressar ao país de origem, deixando a propriedade judaica nas mãos dos nazis, frisou historiadora.

A política portuguesa passa também a ser de restringir a entrada no país a essas pessoas que não podiam regressar ao seu país. “Portanto, permaneceriam em Portugal e competiriam até com os portugueses em certas profissões”, observou, destacando a questão dos médicos, muito em discussão na altura.

Ainda assim, muitos refugiados entram em Portugal devido à posição dos vários cônsules, sublinhou Irene Pimentel.

A homenagem de Portugal e Israel a três diplomatas que se distinguiram no salvamento de judeus

Em 2018, Portugal e Israel organizaram uma homenagem conjunta a três diplomatas que se distinguiram no salvamento de judeus, reconhecendo Aristides Sousa Mendes, cônsul-geral em Bordéus, e Carlos Sampaio Garrido, embaixador na Hungria, como “Justos entre as Nações”, e prestando também tributo a Carlos Teixeira Branquinho, encarregado de negócios em Budapeste.

Se Aristides Sousa Mendes sofreu as consequências de um processo disciplinar, no caso dos dois diplomatas na Hungria já não houve desobediência.

Alegaram que os países neutros estavam a conceder documentos que não eram uma prova de nacionalidade, mas que permitiam que as pessoas pudessem salvar-se.

“Aí Salazar acede por uma razão muito simples, também já sabe para onde é que vai o destino da guerra e tem muitas pressões já dos EUA e de Inglaterra, ainda por cima numa altura em que já tinha cedido a base [Santa Maria] aos aliados ocidentais”, explicou Irene Pimentel.

Esta semana realiza-se em Jerusalém o 5.º Fórum Mundial do Holocausto que tem como lema "Lembrando o Holocausto, combatendo o antissemitismo" para assinalar o 75.º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz.

Estão previstos discursos dos presidentes de Israel, da Rússia, da França e da Alemanha, e do príncipe Carlos, em representação do Reino Unido, entre outros.

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, vai participar no Fórum Mundial do Holocausto a convite do seu homólogo israelita, Reuven Rivlin, com quem terá uma reunião bilateral, na terça-feira.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.