Quase seis horas depois do despiste do camião, na zona de Ramalde, que tornou impossível a circulação naquele sentido, provocando enormes filas de trânsito e a necessidade de este ser desviado para a cidade, a via rápida foi reaberta.

O esforço de limpeza da via ficou marcado, a meio da tarde, por uma contrariedade com a máquina para ali deslocada para limpar os vidros largados, já que furou um pneu e esteve bastante tempo inutilizada.

A máquina da empresa titular do camião que se despistou, a Paulo Santos e Filhos, acabou por ver a sua situação resolvida e foi possível remover o vidro espalhado na via, seguindo-se a lavagem do pavimento e a varredura final, a cargo de uma retroescavadora do Batalhão de Sapadores do Porto, relatou à Lusa fonte da Câmara do Porto.

Ao início da tarde a PSP revelou que do despiste do camião não resultaram feridos.

[Notícia atualizada às 20:24]

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.