“Pessoalmente recebo esta miserável e infame agressão como um reconhecimento pela minha condição de revolucionário anti-imperialista! Venceremos”, escreveu o vice-Presidente da Venezuela na sua conta da rede social Twitter.

Tarek El Aissami instou os revolucionários a não se distraírem com o que classificou como “miseráveis provocações”, sublinhando que a “principal tarefa é acompanhar o Nicolás Maduro (Presidente da República) na recuperação económica” da Venezuela.

Os EUA impuseram segunda-feira sanções financeiras contra o número dois do regime, a quem acusam de ter “facilitado a entrega de drogas” em troca de pagamentos.

As sanções são o “culminar de vários anos de investigação aos principais traficantes de drogas para os Estados Unidos e demonstram que a influência e o poder não protegem aqueles que se envolvem em atividades ilegais”, refere, em comunicado, o Departamento do Tesouro.

Tarek El Aissami, 42 anos, um dos líderes mais influentes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), no poder desde 1999, foi nomeado para a vice-Presidência do país em janeiro.

No mesmo sentidio das críticas, o deputado Pedro Carreño, do PSUV, classificou as sanções como “uma nova canalhice” do Departamento do Tesouro dos EUA, que procura “criminalizar” o Governo venezuelano.

“Nos EUA entram 570 toneladas métricas de drogas, num país em que não podes entrar nem a pé (…) as medidas são mediáticas, porque não podem congelar contas a um cidadão que não tem contas lá (nos EUA), assim como negar a entrada no país a uma pessoa que não tem visto!”, disse a jornalistas.

Entretanto, Jesus Torrealba, secretário executivo da aliança de oposição Mesa de Unidade Democrática, advertiu hoje que a acusação ao vice-Presidente poderá comprometer as relações bilaterais com os Estados Unidos.

Segundo Torrealba, apenas os EUA pagam em dinheiro o petróleo venezuelano e são uma nação com peso em todo o planeta, pelo que nas próximas horas haverá uma posição oficial da oposição venezuelana.

Um grupo de integrantes do movimento Venezuelanos Perseguidos Políticos no Exílio (Veppex) agradeceu hoje a decisão dos EUA de impor sanções económicas a Tarek El Aissami.

“Expressamos o nosso agradecimento ao Departamento do Tesouro dos EUA e ao Presidente Donald Trump, por ter decidido incluir El Aissami e o seu testa de ferro, Samark López Bello, na lista de acusados por narcotráfico”, lê-se num comunicado da Veppex.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.