Nos números de 31 de julho, divulgados hoje, "todas as bacias apresentam valores de armazenamento total inferiores às médias de armazenamento" no mesmo mês registados entre 1990 e 2018, "exceto as bacias do Lima Cávado, Douro, Mondego e Arade.

Desde junho, desceu o número de albufeiras com volume acima dos 80% do volume total e aumentou o número abaixo dos 40%.

As albufeiras com menos água situam-se na bacia do Sado - Monte da Rocha (10%), Campilhas (11%), Fonte Serne (31%), Pego do Altar (28%), Roxo (33%), Vale do gaio (34%) -, do Guadiana - Vigia (13%), Caia (21%), Monte Novo (35%), Abrilongo (23%) e Lucefecit (17%)- e do Tejo (Divor, com 13%).

Nos principais rios transfronteiriços, do lado espanhol a disponibilidade hídrica do Minho e Lima atingia no fim de julho 71,3%, no Douro 56,1%, no Tejo 43,3% e no Guadiana 43,8%, com as descidas mais acentuadas no Douro (6,4 pontos percentuais) e no Tejo (7,4 pontos percentuais).

"A evolução dos volumes armazenados a 31 de julho de 2019, comparativamente ao final do mês anterior indica uma descida dos volumes armazenados em todas as bacias monitorizadas, o que nesta época do ano é normal acontecer, no entanto, em todo este ano hidrológico e os armazenamentos totais estiveram, em regra, inferiores às médias de armazenamento", analisou a tutela.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.