Dados também fornecidos hoje pelo Departamento de Segurança Nacional (DSN) espanhol mostram que a coluna de gases que sai do vulcão atinge até 4.500 metros de altura.

Dois fluxos de lava permanecem ativos: o mais setentrional está quase parado e tem uma altura máxima de 12 metros, enquanto a frente sul continua a avançar de quatro a cinco quilómetros por hora com uma altura de 10 metros.

O fluxo de lava tem um comprimento de 3.800 metros e está a 2.100 metros da costa.

Por seu lado, o sistema europeu de satélites Copernicus, que tem acompanhado a evolução da erupção desde o seu início, também atualizou os seus dados e relatórios que indicavam, na quinta-feira ao fim da tarde, que a lava já tinha coberto 180 hectares (14 novos hectares nas 11 horas anteriores).

A lava tinha também destruído 390 edifícios (mais 40 do que no dia anterior) e 14 quilómetros de estradas.

Em relação à qualidade do ar, o DSN, citado pela agência espanhola Efe, indica que, de acordo com os dados meteorológicos, está excluída a queda de chuva ácida durante as próximas 24 horas e acrescenta que “se ocorresse, não causaria efeitos significativos, uma vez que é um acontecimento pontual não persistente”.

Na mesma linha, o serviço de proteção civil das Canárias insiste que “os valores de dióxido de enxofre indicam que a qualidade do ar é boa e que a chuva ácida está excluída”.

O relatório do DSN acrescenta que na quinta-feira a ação do vento à superfície provocou deslocações de ar que provocaram alguns atrasos nas partidas ou chegadas de alguns voos entre Tenerife (a maior das ilhas do arquipélago) e La Palma.

O organismo que faz a gestão do espaço aéreo em Espanha (Enaire) recordou, há algumas horas, nas suas redes sociais, que “o espaço aéreo das ilhas Canárias está a funcionar normalmente”.

Por outro lado, mantém-se o perímetro no mar, estabelecido pela capitania marítima até 2 milhas da costa, entre Puerto Naos e Tazacorte, dois municípios da ilha de La Palma.

O governo regional das Canárias realiza hoje uma reunião extraordinária, com a presença do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, na qual planeia aprovar a ajuda às pessoas afetadas pela situação.

O vulcão Cumbre Vieja está ativo e a expelir lava desde domingo passado e apesar desta situação não houve mortos ou feridos a lamentar entre os 85.000 habitantes da ilha, mas os danos são enormes, acima de 400 milhões de euros, segundo as autoridades regionais.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.