O defesa Grimaldo colocou a equipa lisboeta em vantagem aos 66 minutos, na marcação exemplar de um livre direto, antes de o recém-entrado Clemenza restabelecer a igualdade, aos 84, com um golo que o avançado português Cristiano Ronaldo, novo ídolo de Turim, não desdenharia.

Ainda de férias, Ronaldo foi o maior ausente do jogo, decidido nas grandes penalidades, com a Juventus a acertar as quatro tentativas, a última das quais pelo ex-jogador do FC Porto Alex Sandro, e o Benfica a falhar por Jonas, ao poste, e João Félix, que permitiu a defesa do guarda-redes Perin.

Depois de ter vencido os alemães do Borussia Dortmund pelo mesmo método (4-3, após um empate 2-2 no fim do tempo regulamentar), o Benfica cedeu perante o clube transalpino, que se tinha imposto por 2-0 ao Bayern Munique.

O primeiro sinal de perigo foi dado pela equipa italiana, aos 10 minutos, através de um remate de Marchisio sobre a barra da baliza ‘encarnada’, na sequência de um bom cruzamento de João Cancelo (formado nas camadas jovens da Luz), mas, a partir desse momento, foi o Benfica que tomou as ‘rédeas’ do jogo.

Apesar da demonstrar mais vontade do que adversário em inaugurar o marcador, a equipa lisboeta apenas criou uma flagrante oportunidade de golo, aos 22 minutos, quando Gedson Fernandes se precipitou no remate, perante a aproximação de Chiellini, atirando ligeiramente ao lado.

O treinador Rui Vitória foi obrigado a fazer a primeira alteração ainda antes do intervalo, aos 41 minutos, devido à lesão de Ferreyra, que foi substituído por Castillo, e o cenário inverteu-se no início da segunda parte, com a Juventus a acercar-se da baliza benfiquista.

Cancelo e Favilli testaram os reflexos de Vlachodimos, que voltou a evitar o golo da Juventus com uma saída oportuna perante Khedira, e o Benfica respondeu... inaugurando o marcador, por Grimaldo, na marcação exemplar de um livre direto, aos 66 minutos.

A Juventus manteve-se no controlo das operações, em especial depois de o Benfica ter substituído seis jogadores no minuto seguinte ao golo, e ficou muito perto de restabelecer o empate aos 76 minutos, quando Benatia desviou de cabeça para a barra, na sequência de um livre.

A ameaça concretizou-se aos 84 minutos, graças a uma iniciativa individual de Clemenza - que tinha entrado em campo pouco tempo antes -, concluída com um remate fulminante, que Vlachodimos não conseguiu deter, levando o jogo para o desempate por grandes penalidades.

Ficha de jogo:

Jogo na Red Bull Arena, em Harrison, Estados Unidos.

Benfica – Juventus, 1-1 (2-4 no desempate por grandes penalidades).

Ao intervalo: 0-0.

Marcadores:

1-0, Grimaldo, 66.

1-1, Clemenza, 84.

Desempate por grandes penalidades:

1-0, Keaton Parks.

1-1, Fagioli.

1-1, Jonas (poste).

1-2, Emre Can.

2-2, Samaris.

2-3, Beltrame.

2-3, João Félix (defesa de Perin).

2-4, Alex Sandro.

Equipas:

- Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Conti, Jardel, Grimaldo, Fejsa, Gedson Fernandes, Pizzi, Cervi, Salvio e Ferreyra.

Jogaram ainda: Castillo, Rúben Dias, Alfa Semedo, Yuri Ribeiro, Jonas, João Félix, Rafa, Ebuehi, Keaton Parks e Samaris.

Treinador: Rui Vitória.

- Juventus: Szczesny, João Cancelo, Caldara, Chiellini, Beruatto, Pjanic, Khedira, Marchisio, Bernardeschi, Pereira e Favilli.

Jogaram ainda: Rugani, Perin, De Sciglio, Alex Sandro, Emre Can, Barzagli, Fagioli, Leandro Fernandes, Beltrame, Benatia e Clemenza.

Treinador: Massimiliano Allegri.

Árbitro: Jose Carlos Rivero (Estados Unidos).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Keaton Parks (82).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.